Trabalho à distância poderia prejudicar os negócios?

Você acredita que o home office prejudica a velocidade e a qualidade das ideias e das decisões?

São Paulo - Marissa Mayer, CEO do Yahoo!, deu o que falar em fevereiro deste ano, quando determinou o fim do home office na empresa. Em nota divulgada aos funcionários, a vice-presidente executiva de pessoas e desenvolvimento, Jacki Rese, justificou a decisão da CEO com o argumento de que “a velocidade e a qualidade são muitas vezes sacrificadas quando se trabalha de casa”. A mudança no Yahoo! passa a valer a partir de junho, quando os profissionais a distância retornam ao escritório.

A falta de confiança nos funcionários e a necessidade de maior controle foram apontadas como razões para o baixo investimento no home office em pesquisa realizada pela consultoria Remunerar, entre março e abril de 2013. O estudo considerou as respostas de 415 companhias de diferentes portes, concluindo que 38% declaram que não praticam nem planejam implantar o formato.

O mesmo levantamento, porém, aponta que para 47,8% dos pesquisados o home office é altamente motivador para os funcionários, impactando o poder de atração e retenção da empresa. “Funcionário satisfeito e engajado contribui muito mais. Além disso, muitas ideias surgem em momentos de descontração, não necessariamente no café da empresa”, diz Renata Nogueira Paschoal, business partner de RH na agência de publicidade Etco.

No total, foram contabilizados 78 votos online na enquete organizada no LinkedIn. Somente 23% dos participantes afirmaram que o home office é prejudicial – 77% discordaram da fala de Marissa Mayer. “Tem dia em que o tipo de trabalho a ser realizado requer concentração. Se você tem isso em sua casa, é o ideal”, diz Angela Lucas, da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também