• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Como fazer tudo melhor, segundo dicas de quem faz muito bem

Profissionais reconhecidos pelo mercado como os melhores de sua área revelam os segredos que eles só contam aos amigos
Ricardo Guimarães, presidente da Thymus Branding: “Um verdadeiro líder faz a diferença” (Ricardo Benichio/EXAME.com)
Ricardo Guimarães, presidente da Thymus Branding: “Um verdadeiro líder faz a diferença” (Ricardo Benichio/EXAME.com)
Por Da RedaçãoPublicado em 21/03/2013 16:05 | Última atualização em 21/03/2013 16:05Tempo de Leitura: 20 min de leitura

Ricardo Guimarães, presidente da Thymus Branding e guru de vários executivos

Um profissional se torna referência para seus pares e subordinados quando sua causa passa a fazer sentido para os demais 

"Há pessoas que nascem com uma causa. Um ideal que surgiu a partir de uma realidade e que gerou uma vontade de mudar. A partir de então, sua jornada ganha um novo significado, e suas decisões e atitudes, um novo sentido. Essa pessoa se torna um líder quando sua causa passa a fazer sentido para outros indivíduos e seus conhecimentos o tornam alguém digno de confiança e respeito de seus contemporâneos.

Um verdadeiro líder se mantém fiel ao seu impulso original de mudar e fazer diferente. A legitimidade para liderar está na capacidade de exercitar a crítica, de analisar a realidade a partir de seus valores, de aproveitar a oportunidade para fazer valer a sua visão de mundo. O que mantém um líder no seu posto não são seu conhecimento e sua competência, mas, principalmente, o impulso original que o levou a concluir pela causa.

Essa é a fonte de sua energia, de sua coragem e criatividade. É nisso que seus liderados confiam, porque o líder age by the soul, razão interna, e não apenas by the book, razão externa. Descubra sua causa. Acredite no seu potencial de mudar.”

João Doria jr., presidente do LIDE, ultradisciplinado e zeloso nas relações pessoais

Antes de um evento ou reunião importante, faça o dever de casa: demonstre gentileza e estude o nome dos convidados

"Sempre fui extremamente cuidadoso quando o assunto são pessoas, nomes e rostos. Além de uma questão de gentileza e educação, é também um sinal de bom caráter. Normalmente, alguém que é zeloso em suas relações é cuidadoso com suas tarefas e sua postura, comprometido com a disciplina, a ética e os bons resultados. Não é uma regra, mas, agindo assim, as chances de ter uma boa trajetória de carreira são grandes.

Quem tem boa memória já começa em vantagem. Mas, se você não faz parte do sortudo grupo que consegue lembrar o nome de qualquer pessoa, mesmo que só a tenha visto uma única vez, é bom ficar atento e, antes de um evento ou reunião, fazer o dever de casa. O planejamento é um grande aliado dos esquecidos. Procure descobrir com antecedência o nome de quem estará presente.


Escreva os detalhes em um papelzinho para poder consultar em caso de emergência. Apesar desses cuidados, nunca se está livre do imprevisto: encontrar um desconhecido. A primeira providência é tratar de forma discreta com alguém que possa ajudá-lo a descobrir o nome esquecido. Se não houver sucesso, nada de chamá-lo de ‘doutor’, ‘meu ilustre colega’, “meu grande amigo.” Isso já não cola mais. Apenas pergunte o nome.”

Lilian Guimarães, diretora executiva de RH do Grupo Santander Brasil

1 “O bom líder se aproxima de sua equipe e faz tudo acontecer por meio dela.”

2 “O trabalho pode até ser considerado duro, mas é fundamental que as pessoas se divirtam e realizem suas tarefas de forma leve e agradável.”

3 “Na busca por maior produtividade, construa um objetivo comum com seus liderados.”

4 “Quando todos sabem para que estão trabalhando, o dia a dia passa a fazer sentido.”

5 “É preciso dar um propósito ao trabalho.”

6 “Crie um ambiente aberto, em que as pessoas tenham oportunidade de acessar o líder.”

7 “Dê chance para que as pessoas escolham o que fazer a partir dos objetivos previamente definidos.”

8 “Um processo de autoavaliação e autoconhecimento ajuda as pessoas a escolher o que gostariam de fazer (e isso faz diferença para que se sintam valorizadas e responsáveis pelo trabalho que realizam).”

Pedro Mandelli, consultor de carreira

Se você não recebeu nenhuma proposta de emprego nos últimos tempos, justamente quando o mercado está aquecido, reveja sua atitude

"Em recente viagem, estive conversando com alguém sobre a falta de profissionais qualificados no mercado de trabalho brasileiro. Meu interlocutor me dizia que há escassez de perfis para todas as posições, seja no campo de gestão, seja no técnico ou operacional. Alarmado, afirmava que não estamos preparados para crescer na velocidade que se pretende.


De acordo com tudo o que ele afirmava, resolvi esquentar a discussão e perguntei: ‘E você? Quantas propostas para mudar de empresa já recebeu nos últimos seis meses? Se o mercado está tão aquecido, você também está?’. Pelo olhar de surpresa que recebi, já imaginei qual era a resposta. O profissional com quem eu conversava, como muitos hoje em dia, é invisível para os empregadores. E isso o torna alguém ‘sem valor comercial’. Já pensou nisso? 

Se você se sente estacionado ou tem dúvidas do seu valor de mercado, chegou a hora de também se fazer diversas perguntas. Onde está errando? O que deveria estar fazendo e não está? Com quem deveria estar se relacionando? De quais grupos de trabalho deveria estar participando? Quais eventos deveria estar frequentando?

Costumo dizer que baseamos nossas carreiras em alguns alicerces. É determinante construir uma competência reconhecida no mercado, ser proativo no contexto em que você vive e trabalha, saber articular relacionamentos e definir um método para chegar a seus objetivos. Reflita de que forma você está investindo em cada um desses eixos e descubra se também está invisível para a comunidade de possíveis contratantes, tanto dentro de sua atual empresa quanto externamente.”

Marília Rocca, empreendedora e diretora da Mãe Terra

Faça um esforço para substituir os alimentos básicos de casa pelas opções mais naturais e integrais. Seu corpo irá agradecer

"De todos os investimentos que podemos fazer em nossa carreira, o mais importante de todos é garantir o bem-estar. E isso pode ser feito com pequenas mudanças de hábito, que em médio prazo vão melhorar a autoestima e trazer resultados bastante animadores.

A minha primeira proposta é que as pessoas façam um esforço para investir na substituição dos alimentos mais básicos de casa por suas opções naturais e integrais. Eu sei que, quando toco no assunto alimentação saudável, as pessoas logo pensam que vão precisar abrir mão de prazer e praticidade, além de aumentar os gastos com supermercado. Mas isso não é verdade. 

A indústria alimentícia tem lançado novos produtos a cada dia, com valores muito mais em conta. Com um aumento médio de 8,5% no valor de suas compras mensais, é possível trocar o açúcar branco pelo demerara. Ou a farinha branca pela integral. O retorno, acredite, vale a pena. É preciso estar bem para viver bem e trabalhar de forma produtiva.  

Uma mudança de hábito que pode trazer economia no fim do mês, além do lucro de ganhar um novo hobby e se socializar mais com os amigos, é cozinhar em casa. Em um ano, os restaurantes tiveram um aumento de 11% nos preços. Em vez de gastar rios de dinheiro para nem sempre se alimentar de forma saudável, chame os amigos para comer com você.


Não tem noção nenhuma de como cozinhar? Vá fazer um curso, aprender uma série de pratos e conhecer novas pessoas. É uma mudança de hábito que vai combinar economia com restaurantes, uma nova desculpa para conviver com quem você gosta e ainda desenvolver uma forma diferente de distração.” 

Lauro Henriques Jr., autor do livro Palavras de Poder (Editora Leya)

A meditação é um jeito de se conectar com o seu interior para entender suas reais motivações

"A felicidade hoje, para muitos, está ligada a conquistas. Principalmente no mundo corporativo, em que uma promoção, um novo cargo ou simplesmente o reconhecimento do chefe podem ser o ponto alto da carreira. Mas o que muitos esquecem é que o sucesso não é resultado somente de habilidades técnicas, mas também da nossa capacidade de lidar com as pessoas.

E aí reside a importância do autoconhecimento: ele é uma ferramenta essencial para nos relacionarmos bem com nós mesmos e, com isso, estarmos aptos a nos relacionar melhor com o outro. Mas é nessa hora que muita gente torce o nariz ou tenta mudar de assunto.

Tem quem considere que autoconhecimento é ‘coisa de monge’, algo inacessível e totalmente desvinculado da vida prática. Quem pensa assim está enganado. O autoconhecimento é uma alternativa para nos tornarmos indivíduos mais equilibrados e tranquilos, atentos, criativos e menos reativos às crises. 

Existem várias formas de nos conectarmos com nós mesmos. A meditação é uma delas. Sempre que falo nisso, a primeira coisa que ouço das pessoas é que elas não têm tempo. Uma dica? Dê uma ‘rapidinha’. Ou melhor, dê várias! Uma “rapidinha” é uma meditação de um minuto, que você pode fazer várias vezes ao dia: na pausa para o café, esperando o elevador ou parado no trânsito.

Pare, respire profundamente, até mesmo de olhos abertos. O importante é estar atento à sua respiração e aos sons ao redor. Há muitas técnicas como essa que nos tornam pessoas mais aptas a felicidade. O segredo? Só um: começar.”

Peter Buffett, autor do livro A vida é o que você faz dela (Editora BestSeller) e filho do megainvestidor Warren Buffett

Meu pai, Warren Buffett, com muito trabalho, ética e sabedoria, se tornou um dos homens mais ricos do mundo. Seja quem forem seus pais, você ainda tem sua própria vida para entender 

"É difícil dar uma receita de como as pessoas podem descobrir a sua verdadeira vocação. Mas, se eu fosse arriscar alguns conselhos, o primeiro deles seria que cada um tente descobrir a sua própria história. Quando um cantor está em um estúdio para gravar um disco, ele precisa isolar todos os barulhos que vêm de fora e ouvir somente a sua voz. E é assim que precisamos fazer em nossas vidas: livrar-nos dos ruídos externos que nos impedem de ouvir a nós mesmos. 


Vivemos em um mundo com tanta informação que, se pararmos para pensar, sempre temos alguém nos dizendo o que fazer. No momento em que nos livramos de toda essa pressão, ficamos mais sensíveis ao que nos é verdadeiro. É quando estamos mais conectados para ouvir a nossa vocação.

Outro ponto importante é descobrirmos o que o sucesso significa para nós. É ter uma casa grande, um carro do ano, um cargo altíssimo na empresa em que trabalhamos? Pois eu digo que dinheiro e questões exteriores não deveriam ser a medida do quanto nós somos felizes. Pelo contrário: o que conta são as experiências que tivemos, as relações que vivemos, como nos sentimos ao realizar nosso trabalho. 

Todo dia que acordo de manhã, a minha definição de sucesso e bem-estar é o quanto eu tenho vontade de sair da cama e fazer o meu trabalho. As pessoas costumam restringir demais a forma como planejam suas carreiras, esquecendo que, muitas vezes, é possível combinar o que amam com o caminho que vão seguir profissionalmente. Quais são os seus sonhos de criança? O que você sempre desejou fazer e ficou pelo caminho? 

Alguns sonham em ser dançarinos, mas nunca foram em frente por ser algo mais incerto, que poderia não dar segurança financeira. Então, decidem ser contadores, por exemplo, deixando o que os fazia feliz para trás. E por que não ser contador de uma escola de dança? As possibilidades são inúmeras, o que precisamos é ter em mente o que realmente nos faz feliz.”

Daniela de Fiori, vice-presidente de sustentabilidade do Walmart

Comece pelo que pode ser feito em menos tempo, com menor investimento e bom retorno. É mais fácil do que parece 

"Quando se fala em sustentabilidade, é fundamental que as empresas tenham um olhar de longo prazo. Por outro lado, em plena crise global com ruídos que já começam a chegar ao Brasil, pode ser difícil emplacar com os tomadores de decisão iniciativas e novos investimentos que não vão trazer lucro imediato. A saída para quem ainda não começou — e já está muito atrasado — é colocar a mão na massa. 

Uma das maneiras mais eficazes de convencer sua organização da necessidade de práticas sustentáveis é encontrar um líder que compre sua ideia e vá mobilizando todos os demais níveis. Hoje, esse exercício de convencimento é bem mais fácil do que no passado, quando o tema era entendido como somente um custo adicional. Diversos cases de sucesso e pesquisas mostram que investimentos em sustentabilidade se traduzem em maior reputação empresarial e engajamento dos funcionários, performance para o negócio e atração de talentos.


Outro ponto de partida é entender qual o impacto da sua organização para o meio ambiente, o que pode ser feito por meio de um relatório de emissão de CO2. Com base nesses dados, você poderá criar um mapa com o levantamento das áreas de oportunidade que consegue impulsionar mais rápido. Opte pelo que pode ser feito em menos tempo, com o menor investimento e um bom retorno. No momento em que os resultados começarem a aparecer, é provável que você consiga novos aliados e as futuras iniciativas aconteçam naturalmente.”

Ivete Sangalo, cantora e empresária

Ao nos colocarmos no lugar do outro, agimos de forma mais tolerante e respeitosa. Com isso, as chances de um vínculo forte acontecer são maiores

"N a minha profissão, preciso lidar com um público enorme, pessoas com histórias e experiências completamente distintas umas das outras. Criar empatia com elas é importantíssimo. O meu maior exercício para fazer isso com sucesso é aceitá-las, com todas as suas diferenças. E entender que, por outro lado, aos olhos delas eu também sou muito diferente. O que eu quero dizer com tudo isso é que as pessoas precisam ser mais tolerantes, respeitar as diferenças. Afinal de contas, ninguém é igual a ninguém.

Se todos aplicassem esse comportamento no mundo corporativo, teríamos um resultado incrível. Vivemos um momento de muita intolerância, em que a saída foi se esconder atrás de computadores. Daí o sucesso das redes sociais. Em vez de conviver umas com as outras, se entenderem e aprender a lidar com suas diferenças, as pessoas preferem se utilizar de uma parafernália digital que não revela quem você é. É mais fácil dizer que a bateria acabou ou mudar o perfil no Facebook do que ser você mesmo, assumir suas falhas e virtudes e também as dos outros.

 Ao nos colocarmos no lugar do outro, agimos de forma mais tolerante e sempre respeitosa. Com isso, as chances de um vínculo forte acontecer e de convivermos de maneira mais saudável, independentemente de nossas diferenças, são muito maiores. E a vida fica muito mais simples assim.”

Beatriz Fernandes, gerente da área regulatória da farmacêutica Boehringer Ingelheim, reconhecida por fazer reuniões práticas e eficientes

Encontros de trabalho sem planejamento são armadilhas que roubam seu tempo produtivo

"Uma boa reunião funciona assim: quanto mais você planeja, mais bem-sucedida ela tende a ser. Antes de agendar a próxima reunião, pense: ela é mesmo necessária? Qual o seu objetivo? Será que posso usar outro canal para transmitir as informações, como a intranet da companhia ou um e-mail? Se todas as respostas continuam apontando para a necessidade de um encontro presencial, então é preciso considerar todos os detalhes para que ele seja rápido e eficiente.”


Fábio Moon e Gabriel Bá, quadrinhistas de Sâo Paulo

"Trabalhamos diariamente com o desafio de colocar nossas ideias no papel. Mas, no mundo corporativo, a tarefa é oposta: tirá-las da teoria e transformá-las em projetos. Para nós, tudo funciona melhor se sabemos como nossa história termina. Ao definir aonde queremos chegar, o risco de nos perdermos no caminho é menor. É importante também manter o foco e ter a clareza do que queremos. De nada adianta seguir em diversas direções. É aí que entra outro ingrediente importante, a paciência.

Não é da noite para o dia que as coisas acontecem. É preciso começar aos poucos, esperar os resultados aparecerem, sem atropelos. Há quem tenha um monte de ideias grandes, às vezes megalomaníacas. Elas podem até ser boas. Mas sempre trabalhamos com o princípio de que é mais importante começar de algum ponto, escolher um projeto, mesmo que pequeno, e seguir com disciplina.

É melhor ter realizações que você possa mostrar, gerando um impacto positivo nas pessoas e confiança em você mesmo, do que uma lista de iniciativas pela metade. Conosco, sempre funcionou começar pequeno, com o que sabemos que vamos dar conta.  Mesmo que a gente acredite que pode fazer algo maior. Certamente, a probabilidade de errar é menor. Aos poucos, vamos aprendendo e pegando o jeito. É quando os resultados aparecem.”

Henrique Szapiro, vice-presidente de RH do Citi e mentor de diversos executivos do banco

A confiança é o ingrediente fundamental para a construção de uma relação efetiva

"Normalmente, o mentor é uma pessoa mais experiente, com competência reconhecida dentro da empresa e uma boa rede de relacionamentos. Ele também funciona como um guia de navegação pela companhia e compartilha dicas importantes, que vão direcionar o mentorado ao longo de sua carreira. A confiança é o ingrediente fundamental para a construção de uma relação efetiva entre mentor e mentorado. E isso se traduz em uma boa dose de paciência, empatia e capacidade de escutar.

Com o tempo, a relação vai se estreitando e algo muito legal acontece: começa a se criar quase que uma metodologia de traçar cenários. O mentor nunca toma uma decisão para o mentorado, mas, por ter mais experiência e conhecimento, faz com que ele tenha uma disciplina de estudar todas as alternativas antes de escolher novos caminhos, até que se sinta pronto para andar com as próprias pernas. Ser mentor é um exercício de ensinar a aprender.”

Mário Roberto Villanova Nogueira, diretor e sócio do Demarest e Almeida Advogados

"Saber negociar bem e conduzir situações de forma estratégica, seja qual for sua área de atuação, é essencial para ser um profissional reconhecido no mercado.

Alguém que possui capacidade de argumentação e convencimento certamente terá menos dificuldade para lidar com os obstáculos e as dificuldades que aparecem no caminho. Isso vai se reverter em resultados e numa boa imagem, fazendo com que seja reconhecido em sua empresa por suas realizações e habilidades. 


Portanto, manejar bem as negociações é algo que faz com que você se destaque das demais pessoas, em um ambiente competitivo. O primeiro passo para realizar acordos com sucesso é ter sempre claro qual o interesse de sua organização. Na medida em que se negocia esse objetivo com firmeza, colocando-os acima de seus próprios desejos profissionais, você demonstra maturidade, conhecimento em sua área de atuação e capacidade de escolher as melhores estratégias. Acrescente essa habilidade ao seu currículo e colha os frutos mais adiante.”

Sérgio Chaia, presidente da Nextel

Conheça seis dicas matadoras para impressionar o próximo recrutador 

Hoje em dia, quando entrevisto um candidato a uma vaga de emprego, me assusto com o quão pouco ele sabe sobre a empresa para a qual deseja trabalhar. Isso acontece até mesmo na seleção de diretores. Sugiro seis dicas para sair do óbvio na entrevista:

1 Conheça de verdade o local onde você deseja trabalhar. Nada de Google. Refiro-me a visitar a loja, conversar com clientes, analisar se as prateleiras estão bem arrumadas, no caso de a empresa ser da área de varejo. 

2 Enriqueça seus conhecimentos pelos canais não convencionais e surpreenda positivamente. Um exemplo: ligue para o call center da organização para a qual pretende trabalhar. Faça uma compra pelo site e viva a experiência para poder compartilhá-la com o entrevistador, se a vaga que você busca é na área de serviços. 

3 Fale com tranquilidade sobre seus pontos fracos. Age com inteligência quem expõe seus fracassos com a mesma desenvoltura de quem mostra suas forças. Ninguém vive uma carreira de sucesso, na linha de frente das tomadas de decisão, sem ter falhado. 

4 Mostre as lições aprendidas com os seus erros. 

5 Conte como as suas experiências pessoais e profissionais, positivas e negativas, vão ajudar tanto o seu chefe quanto a empresa a crescer. Ninguém é contratado pelo que fez no passado, e sim pelo que pode realizar no futuro. 

6 Evite apenas relatar suas competências. O correto é associá-las aos desafios da companhia.”

Beto Aloureiro, sócio da MegaJogos e dono da Ionica planejamento digital

"Eu era gerente de redes sociais na construtora Tecnisa. Lá, fui responsável pela estratégia online (de comunicação e vendas pelas redes sociais), que virou referência no mercado. Até que precisei tomar a decisão mais corajosa da minha vida profissional: pedir demissão da melhor companhia em que já trabalhei. Meu objetivo era empreender e deixar São Paulo. 


Amo a cidade, mas queria mais tranquilidade e contato com a natureza. Ainda na Tecnisa, fui convidado para dar consultoria sobre marketing online. Uma coisa levou a outra, e fui convidado para ser sócio da MegaJogos, empresa online com sede em Florianópolis.

Pedi demissão, virei sócio do negócio e oficializei minha consultoria. Sim, tive medo de fracassar. Mas, para um prêmio ser grande, a aposta tem de ser arriscada. Uma dica: use a tecnologia a seu favor. As oportunidades podem ser aproveitadas estejam elas onde estiverem. Se fiz certo? Só o tempo dirá. Hoje, trabalho muito, fico longe do trânsito e estou perto da natureza.”

Ilana Berenholc, consultora de imagem

Suas roupas expressam atributos de personalidade. Por meio delas, você pode elevar o status profissional

"Talvez nem todos os profissionais acreditem na importância da aparência para a carreira. Mas não conheço ninguém que não se preocupe com a construção da reputação profissional. Ao demonstrar que dá valor à sua imagem, um profissional sugere atenção com vários outros detalhes que fazem diferença no mundo corporativo. Pense que, ao se cuidar e se vestir bem, você eleva seu status, comunica expertise e experiência, além de credibilidade, segurança e confiabilidade.

Entender e seguir o código de vestuário da sua empresa é o princípio básico que precisa ser seguido por todos. No entanto, isso é o mínimo que você deve fazer. A grande oportunidade está no seu guarda-roupa: use-o para expressar sua marca, incluindo no seu visual elementos que comuniquem aspectos da sua personalidade que você considera importantes.

Sucesso profissional pode ser expresso por meio de roupas e acessórios de qualidade visível. Acessibilidade pode ser transmitida por meio de cores vivas, usadas em dose moderada, ou roupas informais. Modernidade pode ser comunicada por meio de roupas de estilo contemporâneo ou uso de gadgets superatuais. Não existe uma forma neutra de vestir — sempre comunicamos alguma coisa. E, já que é assim, aproveite para mostrar com clareza e de forma autêntica o seu melhor.  Não deixe que sua aparência crie qualquer dúvida sobre quem você é.”

Carlos Ienne, diretor da divisão Expresso da TNT, pediu demissão, em 2009, do posto de presidente da Fedex, onde iniciou a carreira aos 18 anos

O momento de procurar outro emprego chega quando seus objetivos na companhia estão todos esgotados

"O momento de buscar novos rumos para sua carreira chega quando você percebe que seus objetivos no trabalho estão esgotados. Se sua meta é se desenvolver profissionalmente, você não pode se acomodar e deixar o tempo passar.  Mas só é possível mudar de direção quando se sabe aonde quer chegar. Aí entra a importância de ter um plano bem claro de carreira.

Na minha vida profissional, sempre precisei de renovação e aprender coisas novas, buscar desafios diferentes. É isso o que me motiva. O primeiro sinal de que já estava na hora de eu mudar e procurar novos rumos era quando algo que me desafiava havia um tempo já não me causava mais frio na barriga.

Por isso, acho fundamental que você sempre pare para refletir se ainda se sente motivado com seu trabalho. Se a resposta for negativa, tente entender o que está faltando. Sempre digo para minha equipe: “Se você se levantar para trabalhar um dia e não estiver a fim, pense bem. Algo está acontecendo”. Depois de ficar durante seis anos na posição máxima da empresa em que trabalhava, senti que tinha completado um ciclo. Foi quando tive a sacada e decidi que queria fazer algo completamente diferente do que fazia.

O importante é não ficar parado. Busque soluções, tente descobrir o que você gostaria de fazer, o que o motiva a sair da cama de manhã. Hoje em dia, muitas pessoas estão recorrendo à ajuda profissional de um coaching para encontrar essas respostas. Seja qual for a sua decisão, que fique bem claro: não pode faltar frio na barriga.”