A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Estas são as três armadilhas que bloqueiam seu aprendizado

Fundadora da Companhia de Idiomas dá dicas para fugir das principais armadilhas na hora de aprender inglês e novas habilidades

Para aprender uma habilidade (como inglês, por exemplo), temos de praticar todo dia. Isso você já sabe. Então, por que você simplesmente vai deixando algumas coisas pro dia seguinte, por meses, anos?

Hoje vamos desvendar esse mistério, com dicas e perguntas para você pensar. E quem quiser responder diretamente para mim, vai ser uma alegria ajudar você a aprender a aprender. É só me mandar DM no Instagram (@rosefsouza_) .

Segundo Alex Bretas (@alexbretas11), nós procrastinamos por três motivos: hábito, perfeccionismo ou sabotagem.

Pense em algo que você diz que quer realizar, mas sempre adia, com ou sem justificativas. Você vai descobrir que sempre existem causas que vão além de não ter tempo ou dinheiro.

Na Companhia de Idiomas, muitos de nossos alunos diziam não ter tempo para estudar - começamos a investigar melhor e… ali estavam o hábito, o perfeccionismo ou a sabotagem. Se você leu até aqui, continue até o fim, tentando responder as perguntas que coloquei.

Então vamos lá, primeira causa do popular “empurrar com a barriga”, com perguntas pra você responder:

Hábito

Para aprender um idioma, a frequência de contato com que você estuda e pratica é super importante. Não importa se você está começando ou se já tem um bom nível - se você aprender todo dia um pouco, você evolui. Todo mundo sabe disso, mas nem todos sabem colocar o que querem na agenda, incluir na rotina maluca do nosso dia.

Para ajudar neste começo, uma grande sacada é colocar só o que gosta de fazer na agenda, tirando o que prefere daquela lista de ações que ajudam a melhorar seu inglês. Se você gosta de fazer, é fácil criar o hábito! E aí com o tempo você inclui também o que precisa fazer. Perguntas para você responder:

  • Já desenhei o meu projeto de aprendizagem, escolhendo tudo que GOSTO de fazer para aprender inglês? (ex: ver episódio série xxx e aprender 10 palavras / combinar de mandar áudio em inglês toda semana pra dois amigos que falam melhor que eu / ler a letra das músicas que eu gosto, tentando entender) 
  • Coloquei na agenda os 15, 20 ou 30 minutos por dia para escolher alguma atividade da lista e… realizei? 
  • Será que eu me acostumei a empurrar tarefas até a última hora, e, como normalmente dá certo, eu acho que em algum momento vou conseguir aprender inglês na véspera daquela entrevista de emprego?

Sabotagem

Quem já fez terapia sabe (e quem não fez, desconfia) - a gente diz que quer algo, muitas vezes, pra ser amado por alguém, apreciado por um grupo, pra evitar conflitos, pra ganhar status e por centenas de outras razões. Mas lá no fundo, a gente não quer.

Recentemente, durante uma mentoria de aprendizagem que realizei com uma gerente de uma multinacional, ela descobriu que não queria ser diretora. Porque as diretoras trabalham insanamente naquela empresa, e no fundo, ela queria continuar como gerente, pra preservar seu tempo com o filho e marido, pra fazer o que gosta nos fins de semana, pra ter qualidade de vida - o que, aparentemente, as diretoras não têm na empresa.

E como para ser diretora ela precisaria dominar o inglês, imagina o quanto ela se dedicava a aprender - nada. Agendava aulas, prometia que ia estudar mais, e deixava a rotina invadir o plano, sem criar meios para aprender. Quando ela entendeu a causa, ficou mais fácil tomar uma decisão.

Quer ou não quer? Existe uma terceira via? Por exemplo, conquistar o inglês para ser diretora em uma outra empresa? Ou para viajar o mundo?

  • O que eu posso conquistar, se tiver inglês fluente? (essa pergunta é fácil) 
  • O que eu posso perder, se conquistar isso? (essa pergunta é mais difícil e mais importante) 
  • O que eu perco  é valioso para mim? 
  • Como evitar esta perda? 
  • Existem outros caminhos, alternativas?

Perfeccionismo

    Depois de 34 anos conversando com alunos e professores sobre aprendizagem, posso afirmar que esta causa é muito comum.

    Se eu falo bem Português, posso ter uma expectativa muito alta ao falar inglês, e me intimido de me expor, por saber que vou demonstrar um nível linguístico bem inferior ao que eu tenho na minha primeira língua.

    Se eu odeio aquela fase do “não saber", quando tento aprender violão, natação, culinária ou qualquer outra habilidade, é possível que quando eu tento aprender um idioma, eu sinta o mesmo: frustração, impaciência comigo mesmo, vergonha ao errar, vontade de desistir.

    • Quais habilidades eu comecei do zero, e hoje domino? 
    • Como aprendi essas habilidades? Foi com ou sem professor? Lendo ou por vídeo? Por prazer ou por extrema necessidade? O que me motiva para a ação (motivação)? 
    • Como me senti no início do processo? E no meio? E quando conquistei a habilidade? 
    • De quais habilidades eu desisti de aprender na vida? Por quê? 
    • O que me fez desistir e o que me fez insistir, em cada habilidade? 

    Se você tirar um tempo para responder a essas perguntas, pra você mesmo, você terá um mapa precioso dos seus caminhos, dos seus processos, do seu jeito de aprender. E esse mapa pode levar você a ser um melhor aprendiz, de inglês ou do que quiser!

    Quando criamos a @vebify.oficial há alguns meses, uma marca do grupo @companhiadeidiomas, eu tinha uma ideia do quanto esse tema era importante. Mas não imaginava que fosse tanto. Desperdiçamos muito tempo e dinheiro tentando aprender, nos decepcionamos com a gente mesmo, exigimos dos nossos filhos e funcionários que aprendam, nos decepcionamos com eles.

    Que bagunça fazemos quando o tema é aprender! Simplesmente porque nunca pensamos no assunto com atenção e vontade de investigar. Certamente porque nunca ninguém nos disse que temos de aprender a aprender.

    Sobre Rose Souza (@rosefsouza_)

    Fundadora e sócia-diretora da @companhiadeidiomas, @verbify.oficial, e da @suahistoriaporvoce.  Empreendedora, professora e mentora de aprendizagem. Graduada em Letras/Tradução/Interpretação pela Unibero, Especialista em Gestão Empresarial, MBA pela FGV e PÓSMBA pela FIA/FEA/USP.  Foi professora por seis anos na Pós-Graduação ADM da FGV, quando morava em São Paulo. Colunista dos portais Exame.com, Aboutme e Você RH. Mentora voluntária do Projeto Pulsar da Fundação Everis.
    Quer falar com ela? rose@companhiadeidiomas.com.br ou instagram @rosefsouza_

    Dicas de carreira, vagas e muito mais

    Você já conhece a newsletter da Exame Academy? Você assina e recebe na sua caixa de entrada as principais notícias da semana sobre carreira e educação, assim como dicas dos nossos jornalistas e especialistas.

    Toda terça-feira, leia as notícias mais quentes sobre o mercado de trabalho e fique por dentro das oportunidades em destaque de vagas, estágio, trainee e cursos. Já às quintas-feiras, você ainda pode acompanhar análises aprofundadas e receber conteúdos gratuitos como vídeos, cursos e e-books para ficar por dentro das tendências em carreira no Brasil e no mundo.

    Quer receber as dicas de carreiras, vagas de emprego e ficar por dentro das tendências do mercado de trabalho? Assine a newsletter aqui.

    Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


    Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


    Falta pouco para você liberar seu acesso.

    exame digital

    R$ 4,90/mês
    • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

    • Acesse quando e onde quiser.

    • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
    Assine

    exame digital anual

    R$ 129,90/ano
    • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

    • Acesse quando e onde quiser.

    • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
    Assine

    Já é assinante? Entre aqui.

    Veja também