Advogada tira dúvidas sobre suspensão de contratos e redução de jornada

Confira as dicas sobre como funcionam os acordos com o empregador e como ficam os salários e pagamento de benefícios

Até esta terça-feira, 14, o governo registrou mais de um milhão de acordos entre empresas e empregados para reduzir a jornada e salário ou suspender contratos durante a crise causada pelo novo coronavírus.

Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, o número inclui acordos individuais, negociados diretamente entre empresa e trabalhador, e coletivos, com intermediação de sindicatos de categorias.

Para esclarecer como funcionam os acordos no programa emergencial do governo para manutenção do emprego e da renda (estabelecido na MP 936), assim como os diretos dos trabalhadores, a Exame consultou a Doutora Aparecida Tokumi Hashimoto, sócia do Granadeiro Guimarães Advogados. 

A advogada comentou que as medidas devem ser avaliadas para cada caso, se atentando para os prazos máximos que podem ser aplicadas e o controle que deve ser feito para que os acordos sejam cumpridos: se o contrato é suspenso, os funcionários não devem realizar serviços; e se a jornada é reduzida, é necessário haver um controle da mesma.

Como funciona a suspensão dos contratos de trabalho?

Com a suspensão de contratos de trabalho, o funcionário não pode trabalhar, nem presencialmente e nem remotamente. A suspensão pode durar no máximo 60 dias, que podem ser divididos em dois períodos de 30 dias e intercalados com a redução de jornada, por exemplo.

A empresa precisava fazer uma proposta para suspensão ao funcionário, que deve responder em dois dias. Se for aceita, é feito um acordo individual por escrito, se o empregado receber até três salários mínimos (R$ 3.135,00) ou mais do que dois tetos dos benefícios da Previdência Social (R$ 12.202,12).

Já se o empregado receber entre R$ 3.135,01 e R$ 12.202,11, será necessária a autorização por norma coletiva.

A suspensão pode ocorrer até o fim do estado de calamidade pública, previsto para o dia 31 de dezembro de 2020. Também deve terminar no prazo estipulado entre as partes no acordo ou pela comunicação do empregador que está encerrada, caso, por exemplo, acabe a quarentena estipulada pelo estado. 

Durante o período de suspensão contratual, o empregado tem os seguintes direitos:

a) receber benefício emergencial, pago pela União Federal, de 100% do valor do seguro desemprego a que teria direito, se a receita bruta anual da empresa no ano de 2019 tiver sido de até R$ 4.800.000,00. Se a empresa teve receita bruta em 2019 superior a R$ 4.800.000,00, o valor do benefício emergencial será de 70% do seguro desemprego.

b) a todos os benefícios já concedidos pelo empregador, tais como por exemplo, plano de saúde, vale-alimentação, seguro de vida (se houver), dentre outros. Como não haverá prestação de serviços, o empregado não terá direito de receber vale-transporte.

c) receber ajuda compensatória de, no mínimo, 30% do salário se o empregador teve receita bruta anual superior a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais). Já se a renda bruta anual do empregador tiver sido até R$ 4.800.000,00, o empregado não tem direito a essa ajuda compensatória, mas o empregador, se quiser, poderá concedê-la (trata-se de uma faculdade). Essa ajuda compensatória tem natureza indenizatória e, portanto, não há recolhimento de FGTS e nem INSS.

d) garantia de emprego pelo dobro do tempo de duração da suspensão contratual. Ocorrendo a dispensa sem justa causa durante esse período, será devida uma indenização equivalente a 100% do valor do salário do empregado, além das verbas rescisórias.

e) é facultado ao empregado recolher contribuição previdenciária como segurado facultativo para que o período de suspensão contratual seja computado no tempo de serviço para fins de aposentadoria por tempo de contribuição

O que acontece se houver prestação de serviço?

Se houver a prestação de serviços, estará descaracterizada a suspensão e o empregador será responsável pelo pagamento integral da remuneração de todo o período, além das penalidades previstas em lei e na norma coletiva.

Como funciona a suspensão de contratos e salários?

RECEITA BRUTA ANUAL ACIMA DE R$ 4.800.000,00

Valor do salário Modalidade de Acordo Ajuda compensatória obrigatória Valor do Benefício  Emergencial Benefícios  Concedidos pelo empregador
Até R$ 3.135,00 Individual ou coletivo 30% do salário do empregado 70% do valor do seguro desemprego que seria devido Todos devem ser mantidos
Entre R$ 3.135,01 a R$ 12.202,11 Somente Acordo coletivo 30% do salário do empregado 70% do valor do seguro desemprego que seria devido Todos devem ser mantidos
Acima de R$ 12.202,12 Individual ou coletivo 30% do salário do empregado 70% do valor do seguro desemprego que seria devido Todos devem ser mantidos

RECEITA BRUTA ANUAL ABAIXO DE R$ 4.800.000,00

Valor do salário Modalidade de Acordo Ajuda compensatória facultativa Valor do Benefício  Emergencial Benefícios  concedidos pelo empregador
Até R$ 3.135,00 Individual ou coletivo Livre negociação entre as partes 100% do valor do seguro desemprego que seria devido Todos devem ser mantidos
Entre R$ 3.135,01 a R$ 12.202,11 Somente Acordo coletivo Livre negociação entre as partes 100% do valor do seguro desemprego que seria devido Todos devem ser mantidos
Acima de R$ 12.202,12 Individual ou coletivo Livre negociação entre as partes 100% do valor do seguro desemprego que seria devido Todos devem ser mantidos

Obs.: O valor máximo para pagamento do Benefício Emergencial é de R$ 1.813,03.

Confira aqui como será o pagamento do benefício aos trabalhadores com contrato suspenso ou jornada reduzida

Como funciona a redução de jornada e salários? 

A empresa pode reduzir a jornada e salário por até 90 dias. A medida pode ser utilizada em conjunto com a suspensão, a escolha de uma não exclui a possibilidade de usar o outro recurso. O total de dias de suspensão contratual somado com o de redução salarial não pode ser superior a 90 dias. Sempre deve ser respeitado o prazo máximo de 60 dias de suspensão contratual.

A redução da jornada de trabalho e de salário depende de acordo coletivo, podendo ser feito por acordo individual a depender da faixa salarial do empregado e o percentual de redução salarial. Se a redução for de 25%, vale o acordo individual para todos os empregados.

Da mesma forma, é possível acordo individual quando a redução for de 50% ou 70%, se o empregado receber até três salários mínimos (R$ 3.135,00) ou mais de dois tetos dos benefícios da Previdência Social (R$ 12.202,12).

Já se a redução for de 50% ou 70%, será necessária a autorização de acordo coletivo se o empregado receber mais do que três salários mínimos (R$ 3.135,00) e menos do que o dobro do teto dos benefícios da Previdência Social (R$ 12.202,12).

Dentro do acordo, deve ser estabelecida a quantidade de horas reduzidas. O cumprimento da jornada reduzida pode ser distribuído em todos os dias úteis da semana ou eliminando um dia útil da semana. Como por exemplo, o empregado cuja jornada semanal é de 40 horas semanais, quando há redução dessa jornada em 25%, a nova jornada (reduzida) será de 30 horas semanais, que podem ser cumpridas de segunda à sexta-feira (seis horas diárias) ou de segunda à quinta-feira (7 horas e 30 minutos)

Confira quadro demonstrando a redução na jornada e de salários:

REDUÇÃO VALOR DO BENEFÍCIO EMERGENCIAL ACORDO INDIVIDUAL ACORDO COLETIVO
25% 25% do seguro desemprego Todos os empregados Todos os empregados
50% 50% do seguro desemprego Empregados que recebem até três salários mínimos (R$ 3.135,00) e menos do que o dobro do teto de benefícios do INSS (r$ 12.202,120 Todos os empregados
70% 70% do seguro desemprego Empregados que recebem até três salários mínimos (R$ 3.135,00) e menos do que o dobro do teto de benefícios do INSS (r$ 12.202,120 Todos os empregados

Confira mais dicas sobre os direitos dos trabalhadores durante a pandemia:

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.