Coronavírus: A lei garante proteção para quem não pode trabalhar em casa?

Se o empregador exigir a presença no trabalho mesmo com risco de contágio, quais os direitos do funcionário? Advogado responde

Todos os trabalhadores empregados, sejam domésticos ou não, têm o direito de trabalhar em um meio ambiente do trabalho que não ofereça risco à sua vida e saúde. Do mesmo modo, é responsabilidade de qualquer empregador assegurar um meio ambiente de trabalho saudável.

Nesse sentido, diante da pandemia do COVID-19, o empregador deve tomar todas as precauções para preservar a saúde de seus empregados. E a legislação trabalhista assegura o direito do empregado se recusar a trabalhar, sem prejuízo do salário, quando houver risco grave e iminente à sua saúde.

Além disso, uma vez que haja o risco, se o empregador exigir o trabalho do empregado, esse último pode, inclusive, rescindir o contrato de trabalho e receber todas as verbas como se tivesse sido despedido.

A questão, portanto, está em saber se, na atual conjuntura, há motivos suficientes que justifiquem a recusa em trabalhar. A Organização Mundial da Saúde, por exemplo, que pode ser usada como parâmetro para os comportamentos de risco, já recomendou que, em caso de surto do vírus, sempre que possível, o trabalho remoto deve ser incentivado e, quando se der de forma presencial, o empregador deve oferecer uma série de procedimentos de segurança especificados.

Apesar dessas recomendações, não há nenhuma determinação no sentido de evitar por completo o trabalho presencial, em que pese haver a recomendação para as pessoas permanecerem em casa. Da mesma forma, ainda não há nenhuma norma, em nível federal, determinando a permanência das pessoas em suas residências. Muito embora já possamos observar algumas normas estaduais e municipais determinando o fechamento de certos estabelecimentos.

Por essas razões, no atual estágio da pandemia no Brasil, em princípio, o empregado não poderá se recusar a trabalhar, exceto nessas hipóteses em que já haja norma estadual ou municipal determinando o fechamento do estabelecimento.

Além disso, se for verificado, no ambiente de trabalho, a existência de alguma pessoa com o vírus, nesse caso a recusa poderá ser considerada legítima, até que o ambiente se torne seguro, o que se aplica, inclusive, aos empregados domésticos.

Tem-se discutido, por exemplo, se o empregado doméstico, cujo empregador esteja em quarentena está obrigado a comparecer ao trabalho ou não. A resposta a essa questão é de difícil precisão e depende, na realidade, de uma perícia que possa constatar se aquele ambiente de trabalho específico configura um risco à saúde do trabalhador ou não.

Apesar disso, diante do fato de que nem mesmos especialistas no assunto, neste momento, têm um consenso sobre a real capacidade de propagação do vírus, deve prevalecer o princípio da precaução, de modo a considerar legítima a recusa em trabalhar.

Por fim, deve-se ressaltar que é responsabilidade do empregador fornecer todo equipamento de segurança para preservar a saúde e a vida de seus empregados, o que, no momento, inclui as medidas de prevenção à contaminação do COVID-19.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE