• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Setor de farmácias tem maior crescimento em uma década

Mercado tem crescimento de 17,39% no acumulado de janeiro a setembro deste ano e se tornou centro primário na pandemia
Sérgio Mena Barreto, CEO da Abrafarma (Divulgação/Divulgação)
Sérgio Mena Barreto, CEO da Abrafarma (Divulgação/Divulgação)
Por BússolaPublicado em 05/11/2021 18:42 | Última atualização em 05/11/2021 19:17Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Abrafarma cresceu 17,39% em relação ao mesmo período de 2020, com faturamento superior a 49,6 bilhões de reais no acumulado de janeiro a setembro deste ano. É o maior avanço percentual em uma década, desde a evolução de 19,4% registrada em 2011.

Como parâmetro, o setor teve incremento de 10,47% e 7,77% nos três trimestres de 2019 e 2020, respectivamente. Os números levam em conta as 26 redes que integram a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

“O canal farma, que já vinha ganhando relevância como espaço de consumo e conveniência, assumiu protagonismo na pandemia por ser um centro primário de atenção à saúde. Não à toa, as vendas de todas as categorias aumentaram dois dígitos, sem exceção”, declara Sérgio Mena Barreto, CEO da entidade.

Os medicamentos responderam por 68% do volume comercializado e somaram faturamento de 33,9 bilhões de reais — 17,84% mais do que janeiro a setembro de 2020. A maior alta percentual foi a dos medicamentos isentos de prescrição (MIPs) — 23,81%, chegando a 9,6 bilhões de reais.

“Os brasileiros ampliaram sua cesta de compras de MIPs especialmente por causa da preocupação com a imunidade”, afirma Barreto.

A operação de delivery e e-commerce segue em ascensão consistente e se aproximou dos 2 bilhões de reais de receita, o que representou um crescimento de 59,38% no período. Já os chamados não medicamentos, que contemplam itens de higiene pessoal, cosméticos e perfumaria, geraram 15,6 bilhões de reais — avanço de 16,44%.

Maior tíquete médio

Mais exigente e atento à sua saúde, o consumidor das farmácias possibilitou uma expressiva evolução no tíquete médio, que saltou de 68,55 para 72,18 reais.

“O cliente de hoje é muito mais digital e objetivo nas suas compras. E as farmácias ganharam relevância nesse contexto”, diz Barreto.

As empresas associadas detêm um market share de 45% do setor, embora representem apenas 10% das mais de 85.000 farmácias atuantes no Brasil.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube