Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

PLAY: As bruxas vendem, inclusive no Brasil

O Halloween, celebrado em 31 de novembro, virou mais um impulso para a economia brasileira

Por Danilo Vicente*

Dia 31 de novembro, Halloween. Pode apostar que você verá crianças fantasiadas em algum momento deste domingo — mesmo que pela TV. A tradicional celebração americana (que chegou aos Estados Unidos com migrantes irlandeses) está cada vez mais comum por aqui e neste 2021 promete tomar o fim de semana todo. Aliás, o anglicismo está levando o termo “Dia das Bruxas” ao ostracismo (mas esse é assunto para outro texto).

É mais uma data para celebração não apenas das crianças, mas da economia. Nos Estados Unidos, estima-se que a venda de produtos relacionados ao Halloween alcançará US$ 10,2 bilhões este ano, contra os US$ 8 bi de 2020, de acordo com a National Retail Federation. Por lá, a distribuição deste faturamento é em fantasias (US% 3,3 bi), doces (US$ 3 bi), decoração (US$ 3,2 bi) e cartões (US$ 700 milhões).

É claro que na terra do Tio Sam o Halloween é um feriado esperado, enraizado na cultura. Por aqui ainda estamos bem aquém, mas já vemos uma movimentação forte de grandes marcas e em setores diversos.

O Burger King, por exemplo, vai aproveitar o horário das 3h da manhã, seguindo uma lenda de ser o pico dos fenômenos paranormais, para oferecer cupons de descontos exclusivos. A Fanta, do grupo Coca-Cola, lançou uma bebida na cor preta e sabor “misterioso” para promover a data.

A Liv Up, foodtech de comida natural e mercado online, preparou dicas de pratos temáticos para seus clientes — “globos oculares de presunto” e “pimentão assombrado”, entre outros.

Claro, o cinema terá lançamentos horripilantes, como Halloween Kills: O Terror Continua (o 12º filme da interminável franquia do assassino Mike Myers). E tem até empresa de criptomoeda aproveitando a efeméride para dar R$ 1 milhão em moeda digital.

O Halloween segue a mesma tendência da Black Friday, bons passos atrás, é verdade. Ambas as celebrações americanas chegaram tímidas e a Black Friday, não é novidade, já se tornou forte no Brasil. O caminho é longo, mas está traçado. Que bom. A bruxa está solta — no bom sentido.

*Danilo Vicente é sócio-diretor da Loures Comunicação

Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a Exame. O texto não reflete necessariamente a opinião da Exame.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também