O papel da utopia

Especialista em comunicação aponta criatividade e imaginação como fatores determinantes para o sucesso dos negócios
Criatividade: "A ressignificação passa justamente por essa capacidade de sermos criativos" (Reprodução/Getty Images)
Criatividade: "A ressignificação passa justamente por essa capacidade de sermos criativos" (Reprodução/Getty Images)
Por Rafaela Britto*Publicado em 19/10/2020 19:55 | Última atualização em 19/10/2020 19:55Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Lendo sobre a passagem de Geoff Mulgan, professor na University College London, no KES Global Exchange, estranhei a crítica que fez à ativista sueca Greta Thunberg. Como assim? Ela representa uma geração que luta pelo que acredita! Mas aí entendi quando ele comenta que é também uma geração pessimista.

Professor de inovação, Mulgan é defensor da criatividade como fator determinante para a condução de mudanças. Em meio a tantas incertezas, talvez seja inevitável ser pessimista. Será? Trazendo para o mundo da comunicação, precisamos deixar o pessimismo de lado ao planejar e dar vazão à imaginação. As possibilidades se multiplicam cada vez que desafiamos a lógica da fórmula: produção de release + follow up = publicação no veículo desejado.

A ressignificação passa justamente por essa capacidade de sermos criativos, de irmos além, de oferecermos possibilidades diante das incertezas. Com imaginação, podemos pensar o futuro do negócio com conexões e resultados segmentados, qualificados, contribuindo com soluções para o core business.

Mas, para ser criativo e contribuir dessa forma, é preciso ter e manter um bom repertório. A literatura é um caminho para isso, e foi com uma frase do escritor Oscar Wilde que Mulgan finalizou a provocação: “o mapa-múndi que não inclui a utopia sequer vale ser observado”.

*Gerente de atendimento na FSB Comunicação

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Veja Também

SXSW 2022: a distopia nua e crua de Amy Webb
Um conteúdo Bússola
Há 3 meses • 3 min de leitura

SXSW 2022: a distopia nua e crua de Amy Webb

SXSW 2022: narrativas para recriar o futuro
Um conteúdo Bússola
Há 3 meses • 4 min de leitura

SXSW 2022: narrativas para recriar o futuro