Um conteúdo Bússola

PMEs apresentam o melhor desempenho no segundo trimestre em 11 anos

Levantamento da CNI mostra que houve melhora, mas matéria-prima ainda continua sendo um desafio para a pequena indústria
Falta ou o alto custo de insumos ainda é um problema (Germano Lüders/Exame)
Falta ou o alto custo de insumos ainda é um problema (Germano Lüders/Exame)
B
Bússola

Publicado em 02/08/2022 às 17:00.

Última atualização em 02/08/2022 às 18:04.

No segundo trimestre de 2022, as pequenas indústrias apresentaram um bom desempenho e melhora da situação financeira. A informação está no Panorama da Pequena Indústria, da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A instituição mostra que o Índice de Desempenho registrou o melhor desempenho médio para o segundo trimestre em 11 anos.

O desempenho médio do trimestre em 2022 foi de 47,4 pontos, resultado que também se encontra acima do primeiro trimestre de 2022 (45,5 pontos) e acima da média do segundo trimestre de 2021 (46,5 pontos).

“A preocupação com a falta ou o alto custo das matérias-primas continua em alta para a pequena indústria. No segundo trimestre de 2022, foi o principal problema apontado pelas PMEs dos setores extrativo, de transformação e de construção. No entanto, o desempenho médio e a situação financeira das pequenas indústrias estão melhores”, diz a analista de políticas e indústria da CNI, Paula Verlangeiro.

Sonora sobre os principais resultados da pesquisa com a economista Paula Verlangeiro.

O levantamento também mostra que os empresários seguem otimistas e as perspectivas para pequenas indústrias seguem em patamar positivo.

Falta e alto custo de matéria-prima é desafio para PMEs

Apesar disso, a falta ou o alto custo de matéria-prima ainda é um desafio para as micro e pequenas indústrias brasileiras. Segundo o levantamento, no segundo trimestre deste ano, o problema foi mais assinalado pelos empresários da indústria da construção (+5,4 pontos) e menos assinalado pelas empresas da indústria de transformação (-6,9) e da indústria extrativa (-6,8). O problema segue em primeiro lugar no ranking para todos os segmentos industriais, sendo um obstáculo para as pequenas indústrias há mais de um ano e meio.

O Panorama da Pequena Indústria é um levantamento trimestral que elenca quatro indicadores: desempenho, situação financeira, perspectivas e índice de confiança. Todos os índices variam de zero a 100 pontos. Quanto maior for, melhor é a performance do setor. Veja, a seguir, a análise sobre cada um deles:

Desempenho e situação financeira das pequenas indústrias apresenta melhora no trimestre.

O Índice de Desempenho para as indústrias de pequeno porte foi de 47,5 pontos em junho, alta de 4,8 pontos na comparação com a média dos meses de junho para anos anteriores.

O Índice de Situação Financeira das pequenas indústrias apresentou ligeira melhora, alcançando 41,2 pontos no segundo trimestre de 2022. Na comparação com o primeiro trimestre, o índice mostra aumento de 0,2 ponto, ou seja, uma situação financeira muito semelhante, mas considerada uma melhora na comparação com o segundo trimestre de anos anteriores.

Falta ou alto custo de matéria-prima apresenta queda para indústrias extrativa e de transformação

A falta ou alto custo de matéria-prima permaneceu no primeiro lugar do ranking de principais problemas enfrentados pelas pequenas empresas dos setores extrativo, de transformação e de construção.

A questão da demanda interna insuficiente também segue como um dos principais problemas para todos os setores: ficou em segundo lugar para a indústria extrativa (25,5%), em terceiro para a transformação (22,6%) e em quinto para a construção (19,2%).

Confiança e perspectivas da pequena indústria em julho de 2022

Desde o início do ano, a confiança segue oscilando acima da média histórica de 52,8 pontos em torno dos 57,0 pontos. Assim, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) para a pequena indústria segue mostrando confiança relativamente elevada e disseminada.

O Índice de Perspectivas da pequena indústria, que avalia as percepções dos empresários para os próximos meses, apontou queda de 0,9 ponto em julho de 2022, passando para 51,3 pontos.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Haribo celebra 100 anos projetando crescer mais de 40% em 2022

Unigel investe US$ 120 milhões na primeira fábrica de hidrogênio verde do país

Comgás abre inscrições para novos projetos na Plugue, seu hub de inovação