Um conteúdo Bússola

Intestino: nove metros de pura saúde ou de problemas crônicos

Cuidar desse órgão tão complexo e tão menosprezado pode ser a chave para uma vida mais saudável: o corpo todo agradece
Se o intestino entra em desequilíbrio consequências vão de uma simples dor de barriga até doenças crônicas. (Getty Images/Getty Images)
Se o intestino entra em desequilíbrio consequências vão de uma simples dor de barriga até doenças crônicas. (Getty Images/Getty Images)
B
BússolaPublicado em 30/05/2022 às 10:40.

Por Tatiane Pinheiro*

Imagine uma estrutura com nove metros de comprimento, que abriga uma população de trilhões de microrganismos praticamente autônomo e que pode afetar suas emoções, seu sono e até mesmo seu comportamento. Pode ser fonte de toda a felicidade do mundo, mas também do maior desconforto possível. Esse é o intestino.

Manter o bom funcionamento desse órgão – um dos maiores do corpo, responsável por dois terços do seu sistema imune – é sinônimo de saúde e bem estar.

Quando esse sistema complexo se desestabiliza – devido a alterações genéticas, infecções, inflamações ou variações na dieta alimentar – as consequências podem ser desde uma simples dor de barriga até o aparecimento de doenças inflamatórias crônicas.

Em maio, mês dedicado à Conscientização sobre as Doenças Inflamatórias Intestinais – o Maio Roxo –, é o momento de falar sobre os fatores de risco que podem agravar quadros da Doença de Crohn e da retocolite ulcerativa. Essas doenças, cujas causas são desconhecidas, não têm cura, mas o tratamento adequado pode ajudar a controlar os sintomas.

As campanhas dos meses coloridos, com foco em dar visibilidade aos cuidados com doenças graves e temas pouco discutidos pela sociedade, têm sido importantíssimas para trazer informação, combater o preconceito e apoiar o diagnóstico precoce. Mas também têm sido um ponto de apoio para abrir espaço para discutir temas paralelos e igualmente importantes.

Um ecossistema no corpo

Em maio, portanto, além de apoiar o Maio Roxo, vale iniciar uma discussão ampla sobre outros aspectos da saúde do intestino. Podemos começar com uma metáfora: vamos imaginar que o intestino seja um ecossistema, onde convivem aqueles trilhões de microorganismos citados no início do texto, a microbiota intestinal. Isso já dá uma ideia da complexidade do assunto.

Nesse ambiente, convivem uma microbiota “benéfica”, que tem papel fundamental no metabolismo de diversos processos e também influencia nas respostas mediadas pelo sistema imune, e, em contrapartida, uma microbiota “do mal”, responsável por diferentes doenças.

Se não fortalecemos o exército da microbiota "benéfica", ela não vai ser suficiente para combater as forças "do mal" e manter o equilíbrio do ecossistema, prejudicando principalmente a digestão e a absorção de nutrientes.

Uma microbiota saudável

Talvez você já tenha observado sintomas como aquela sensação de estufamento, dor na barriga, inchaço abdominal, cólicas, diarreias, intestino preso e enjoo. Quando o ecossistema intestinal entra em desequilíbrio, os sintomas começam com um enorme desconforto. Mas como virar o jogo?

Embora as principais características da microbiota sejam definidas essencialmente na infância, é possível promover alterações na composição desses microrganismos, cooperando para a formação de um ambiente mais saudável. Veja abaixo algumas recomendações importantes que podem auxiliar na saúde intestinal:

  • opte por uma dieta diversificada, rica em diferentes alimentos de origem vegetal, ricos em fibras, que podem contribuir para aumentar a variedade de microrganismos benéficos que compõem a microbiota
  • ingira muitas fibras e bastante água; essa combinação é bastante potente para a saúde do intestino
  • evite alimentos ultraprocessados, que costumam aumentar a quantidade de bactérias "prejudiciais" e reduzir as "benéficas”
  • insira na sua rotina alimentos probióticos, como iogurte, leite fermentado, kefir e kombucha. Esses alimentos contém microrganismos vivos que contribuem para o equilíbrio da microbiota intestinal
  • se precisar fazer uso de antibióticos, redobre os cuidados com a alimentação, pois, além de eliminar as bactérias "causadoras de doenças" também eliminam as "benéficas" indiscriminadamente

Mas a dieta só vai ser eficiente se houver rotina e se for duradoura. Uma opção para garantir a ingestão cotidiana e também contribuir para a manutenção da saúde intestinal é suplementar com probióticos. Há no mercado fórmulas prontas, mas existem mais de 20 tipos de cepas probióticas que podem ser indicadas para situações específicas. E o médico é quem deve fazer a melhor indicação de suplementos e de fórmulas manipuladas. O objetivo é buscar sempre uma solução única para indivíduos únicos, de forma personalizada, de acordo com a demanda de cada um.

Ainda há muito a desvendar sobre esse vasto ecossistema, o intestino, mas já sabemos que pequenas mudanças podem trazer grandes resultados. Tente seguir as dicas acima e observe as melhoras que elas podem propiciar na saúde de seu intestino, no seu humor, na energia e na disposição. O corpo todo agradece.

*Tatiane Pinheiro é farmacêutica do Núcleo de Pesquisa e Inovação (NPI) da Farmácia Artesanal. Atua na pesquisa e elaboração de material técnico científico para médicos.  

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também Medicina Canabinoide é curso de saúde mais procurado em EAD curta na USP

Tecnologia na saúde pode ser maior aliada das mães no mercado de trabalho

LIVE: Saúde mais acessível por meio da tecnologia