A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Com pandemia, Ser Educacional investe em adquirir faculdades de medicina

Estratégia de crescimento do grupo foca em regiões com demanda por profissionais da área de saúde

Por Bússola

A pandemia fez da transformação digital uma questão vital – e no setor de educação não foi diferente. É o que aponta o balanço do Ser Educacional, um dos cinco grupos de ensino superior com capital aberto na B3.

Em sua divulgação de resultados, a companhia registrou uma alta de 123,1% da base de alunos de ensino digital (também conhecido como EAD). O segmento que passou a representar 38,4% da base da companhia.

De acordo com o CEO do Grupo Ser Educacional, Jânyo Diniz, os números do crescimento do EAD refletem uma jornada iniciada em 2018 e intensificada para sobreviver às limitações causadas pela covid-19.

“Em 2021, estamos colhendo resultados tangíveis dessa estratégia”, diz o executivo.  “Aprimoramos a experiência dos estudantes e de professores e desenvolvemos uma nova matriz curricular, que permitiu nossa primeira captação de alunos totalmente híbrida.”

O ensino híbrido é o nome dado ao novo formato dos cursos presenciais – que incorporam aulas digitais às indispensáveis sessões práticas no campus, como as atividades de laboratório.

“Uma coisa que aprendemos com a mudança cultural é que o aluno de medicina de Cacoal, em Rondônia, por exemplo, pode ter aula com o professor Cláudio Lacerda, que é um dos maiores especialistas em transplante de fígado do mundo, um dos maiores do Brasil. E no passado esse professor não estava disponível para os alunos, por conta da distância, da dificuldade de chegar."

Mas a estratégia do grupo também passa pelas aquisições. Ao longo de 2020, o Ser Educacional foi ao mercado, com cerca de R$ 500 milhões em investimentos. O maior foco está na área de saúde. “Além do ensino híbrido e ensino digital, temos colhido benefícios de nossa estratégia de investimento em cursos de medicina.”

Das quatro aquisições em 2020, três tiveram essa direção, todas no interior, onde o grupo observa um aumento da demanda por esse tipo de profissional, especialmente após o início da pandemia. Foram somadas três marcas com vagas em medicina: UNIFASB (em Barreiras, na Bahia) e da FACIMED e UNESC (em Cacoal e Vilhena, em Rondônia), respectivamente. Com os anúncios, a companhia passou de 321 para 567 vagas anuais, considerando 94 vagas dos programas FIES e Prouni.

Um dos atrativos é o ticket médio dos cursos de graduação de Medicina, visto como relevante pela companhia. Somente a receita bruta com os cursos dessa especialidade aumentou em 84,4% em 12 meses.

Outra vantagem é a janela de oportunidade no segmento de lifelong learning – alunos dessa especialidade costumam investir em cursos de extensão e pós-graduação. “Isso refletirá em resultados, inclusive porque os cursos de saúde têm tradição de educação continuada”, destaca o CFO do Grupo, João Aguiar.

Os prognósticos são de um desempenho no segundo semestre superior ao registrado em 2020, já com a expectativa de avanço na vacinação e melhora na economia.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também