Teste da vacina chinesa contra a covid-19 deve ser concluído em 90 dias

A partir desta terça-feira, 21, voluntários do Hospital das Clínicas de São Paulo vão receber as primeiras doses do ensaio clínico

As primeiras doses da vacina do laboratório chinês Sinovac Biotech contra a covid-19 começam a ser aplicadas em 890 profissionais de saúde do Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo a partir desta terça-feira, 21. E a previsão é que todo o teste clínico seja concluído em até 90 dias, segundo o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Além do HC, outros 11 centros de pesquisa vão aplicar a vacina em 9.000 voluntários de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. Mais de um milhão de profissionais de saúde, entre médicos e enfermeiros, destes estados se candidataram para participar do ensaio clínico.

Na madrugada desta segunda-feira, 20, chegaram a São Paulo as 21.000 doses que serão usadas para os testes da chamada CoronaVac, uma das mais promissoras do mundo.

"Numa escala de zero a dez, meu grau de otimismo é 11. A tecnologia usada nesta vacina já é conhecida, com cepas inutilizadas do vírus, e o Instituto Butantan produz em outras imunizações. É a que está mais avançada no mundo e tem um alto padrão de qualidade", disse Dimas Covas em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

A testagem está na chamada fase 3 em que um grande número de pessoas participa do estudo para comprovar a eficácia. Metade deles recebe um placebo e a outra, a vacina. Os voluntários receberão duas doses, uma na primeira consulta, em que assinam um termo de compromisso, e a segunda após 14 dias.

Os testes das fases 1 e 2, realizados em humanos saudáveis e em animais, mostraram segurança e capacidade de provocar resposta imune "favoráveis", segundo o laboratório. Alem disso, não foram percebidos efeitos colaterais significativos.

Imunização no SUS em 2021

De acordo com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), caso os resultados sejam positivos, a expectativa é de que a vacina esteja disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no começo de 2021. 

"Nós teremos acesso em um primeiro momento a doses que podem ser aplicadas em 60 milhões de pessoas. E ela será destinada a todos os brasileiros, não somente aos moradores de São Paulo", disse o governador em entrevista no Palácio dos Bandeirantes nesta segunda-feira.

O acordo entre o governo de São Paulo e o laboratório Sinovac, que tem custo estimado de 85 milhões de reais, prevê a transferência total de tecnologia para que o Instituto Butantan produza a vacina em território nacional.

Vacina de Oxford se mostrou segura

A vacina da Universidade de Oxford em parceria com a biofarmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, também uma das mais promissoras e avançadas, teve bons resultados contra o novo coronavírus, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (20) na revista científica The Lancet

O estudo foi do tipo randômico, com grupo de controle (que recebeu uma vacina de meningite) e cego (no qual os voluntários não sabem qual medicamento foi administrado), e realizado com cerca de 1.077 pessoas saudáveis. Os resultados são das fases 1 e 2 da vacina.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também