STF julga decisão sobre CPI da Covid-19 e caso Lula nesta quarta

Supremo julgará decisões de Barroso, que determinou a instalação da CPI, e de Edson Fachin, que anulou condenações de Lula no âmbito da Lava Jato

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia. 

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta quarta-feira, 14, a decisão do ministro Luís Roberto Barroso, que determinou a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar a atuação do governo na pandemia de covid-19, e a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no âmbito da Operação Lava Jato.

O primeiro assunto do dia será a CPI da Covid-19. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu nesta terça-feira, 13, o requerimento de abertura da comissão, conforme determinação de Barroso, na última quinta-feira, 8. A pedido de senadores, o colegiado também investigará o uso de recursos repassados pelo governo federal a estados e municípios.

No julgamento desta quarta-feira, o plenário da Corte vai analisar a decisão liminar de Barroso, que pediu que o Senado tomasse as providências para a imediata instalação da comissão. Barroso disse ter conversado com todos os ministros antes de assinar a liminar. Por isso, o esperado é que a decisão seja referendada pela maioria.

A decisão foi concedida em resposta a um mandado de segurança apresentado pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO) em fevereiro. Eles alegaram que o requerimento para criação da CPI, de autoria de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), cumpria todos os requisitos formais, mas, ainda assim, não havia sido encaminhado por Pacheco.

O STF deve discutir o início dos trabalhos. Parte dos ministros defende a instalação imediata, mas outra ala acredita que a CPI, apesar de cumprir os requisitos para ser instalada, deve começar a atuar apenas quando os trabalhos presenciais forem retomados no Senado. 

Caso Lula

Depois do julgamento sobre a CPI, o plenário também deve começar a julgar a liminar do ministro Edson Fachin que anulou as condenações impostas ao ex-presidente Lula pela Lava-Jato em Curitiba. A maioria dos ministros deve votar a favor da decisão, mas há posicionamentos contrários dentro da Corte.

Fachin anulou em março quatro condenações decorrentes da Operação Lava-Jato: tríplex do Guarujá, sítio de Atibaia, sede do Instituto Lula e doações da Odebrecht. Caso o plenário confirme a decisão do ministro, o ex-presidente deixará de ser inelegível e poderá concorrer às eleições de 2022.


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.