Brasil

Porte de maconha: Lewandowski diz que combate ao tráfico não se faz com 'força bruta'

Ministro da Justiça falou sobre ombater o tráfico de drogas com educação e políticas públicas

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 26 de junho de 2024 às 11h37.

Um dia depois do Supremo Tribunal Federal (STF) descriminalizar o porte de maconha para consumo pessoal, o ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, afirmou nesta quarta-feira que o foco da sua gestão será combater o tráfico de drogas com educação e políticas públicas e não apenas com a "força bruta".

"Combate às drogas não se faz apenas com força bruta, mas sobretudo com educação e políticas públicas", disse Lewandowski durante o lançamento de três programas voltados a dar incentivos a estados e municípios e de levantar dados sobre novas drogas em circulação no país. As falas ocorreram durante evento realizado no Ministério da Justiça.

Lewandowski ressaltou a necessidade de evitar o "aliciamento" dos jovens pelas facções criminosas. --- Para isso vamos apoiar a capacitação e suporte técnico aos profissionais da educação em todo o país --- acrescentou ele.

O ministro da Justiça também informou que o tráfico de drogas está ligado à destruição do meio ambiente na Amazônia. Segundo ele, os Estados onde tiveram redução de desmatamento também tiveram maior apreensão de drogas.

"A questão das drogas está intimamente relacionada ao desmatamento ilegal", disse Lewandowski.

O julgamento sobre a descriminalização vinha sendo debatido no Supremo há nove anos e ontem formou maioria de 8 votos à favor e 3 contra para o entendimento de que o porte de maconha para uso pessoal é um ato ilegal, mas não de natureza penal.

Antes de ser ministro da Justiça, Lewandowski foi ministro do Supremo, a qual presidiu entre 2014 e 2016.

Nesta quarta-feira, o Supremo irá deliberar sobre critérios objetivos para diferenciar o usuário do traficante - o que não é definido na Lei de Drogas.

 

Acompanhe tudo sobre:MaconhaSupremo Tribunal Federal (STF)Ricardo Lewandowski

Mais de Brasil

Brasil e Itália defendem acordo entre Mercosul e UE 'o quanto antes'

Ramagem diz que Bolsonaro autorizou gravação de reunião no Planalto sobre investigação de Flávio

Lira diz que investigação contra Ramagem é 'grave', mas indica não ver punição pelo Conselho

Mais na Exame