Só 15% de eleitores de Haddad e 12% de Bolsonaro decidem pelas propostas

Nova pesquisa do Datafolha mostra que propostas para o Brasil não estão entre as prioridades dos eleitores no segundo turno

São Paulo - Em uma eleição marcada por polarização, denúncias de corrupção, xingamentos, assassinatos e ataques nas ruas, fake news, debates cancelados e muito discurso de ódio, o que realmente importa para o Brasil acabou ficando totalmente de escanteio: as proposta para o País. O que antes era obrigação de qualquer candidato - apresentar boas e consistentes propostas para resolver os problemas dos brasileiros em áreas como segurança, saúde e educação - se tornaram "mero detalhe".

Pesquisa do Datafolha divulgada hoje (20) mostra que poucos eleitores, nesse segundo turno, vão votar em seus candidatos convencidos pelas propostas apresentadas. Apenas 15% dos eleitores de Fernando Haddad (PT) e 12% dos eleitores de Jair Bolsonaro (PSL) se convenceram do voto pelas propostas de seus candidatos.

A pesquisa foi feito entre 17 e 18 de outubro, com 9.137 pessoas 341 municípios. As respostas foram espontâneas e era possível dar mais de uma resposta.

Entre os eleitores de Bolsonaro, "mudança" vem antes de suas propostas. 30% votarão nele porque têm "desejo de mudança". A rejeição a Haddad também está na frente das propostas do candidato do PSL, com 25% dizendo que optaram por ele porque não querem votar em Haddad de jeito nenhum.

Desejo de mudança aparece mais forte em faixas de renda menores, enquanto o antipetismo aparece mais forte entre faixas de renda mais elevadas. Antes das propostas, a questão da segurança e seus "valores pessoais" ainda aparecem como fatores de convencimento. Suas propostas, portanto, são a quinta causa de voto.

Já no caso de Haddad, antes dos 15% que citaram suas propostas estão 20% que citam a rejeição a Bolsonaro. Portanto, suas propostas aparecem como o segundo fator mais importante para o voto. Entre os mais ricos, o antibolsonarismo cresce, chegando a 30% dos eleitores citando tal fator como o mais decisivo.

Confira:

Decidiu votar em Jair Bolsonaro porque...

Renovação ou alternância de poder (30%)
Rejeição ao PT (25%)
Propostas de segurança (17%)
Imagens e valores pessoais (13%)
Plano de governo (12%)
Combate à corrupção (10%)

Decidiu votar em Fernando Haddad porque...

Rejeição a Bolsonaro (20%)
Plano de governo (15%)
Alinhamento ao partido (13%)
Experiência e capacidade de governar (11%)
Influência de Lula (11%)
Imagem e valores pessoais (7%)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também