Rio vai investigar origem das armas usadas no massacre

O governador Sérgio Cabral confirmou que a polícia vai investigar como o atirador conseguiu os dois revólveres

Rio de Janeiro – A origem das duas armas usadas por Wellington Menezes de Oliveira no massacre de 11 alunos da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste da cidade, será investigada, disse hoje (7) o governador Sérgio Cabral. “Ele estava muito armado, estava com um cinto de munição, que é coisa de profissional”, disse.

A Polícia Civil confirmou que o autor dos disparos usava dois revólveres calibres 38 e 32, além de um cinto de munição.

O governador também assegurou que os funcionários da escola e os professores estão recebendo atendimento psicológico para ajudar a superar o trauma da tragédia.

O prefeito Eduardo Paes, que acompanhava Sérgio Cabral na visita ao local do massacre, manifestou solidariedade às famílias das vítimas e suspendeu as aulas na escola, que ficará à disposição da Polícia Civil para as investigações. “Esses pais e mães contam com meu apoio e carinho”, declarou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.