• AALR3 R$ 19,76 0.05
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,53 -0.06
  • ABEV3 R$ 14,69 1.03
  • AERI3 R$ 4,17 11.20
  • AESB3 R$ 10,80 1.50
  • AGRO3 R$ 31,64 -1.31
  • ALPA4 R$ 21,76 -0.18
  • ALSO3 R$ 19,88 0.96
  • ALUP11 R$ 26,28 0.11
  • AMAR3 R$ 2,35 5.38
  • AMBP3 R$ 29,54 -0.71
  • AMER3 R$ 23,59 2.34
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,55 3.16
  • ARZZ3 R$ 82,62 0.16
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.58
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,76 0.05
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,53 -0.06
  • ABEV3 R$ 14,69 1.03
  • AERI3 R$ 4,17 11.20
  • AESB3 R$ 10,80 1.50
  • AGRO3 R$ 31,64 -1.31
  • ALPA4 R$ 21,76 -0.18
  • ALSO3 R$ 19,88 0.96
  • ALUP11 R$ 26,28 0.11
  • AMAR3 R$ 2,35 5.38
  • AMBP3 R$ 29,54 -0.71
  • AMER3 R$ 23,59 2.34
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,55 3.16
  • ARZZ3 R$ 82,62 0.16
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.58
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Rio estuda subsidiar parte da tarifa de trens e metrô a partir de 2022

Quem utiliza o Bilhete Único pode pagar menos, como nas barcas
 (Divulgação/Marcelo Horn)
(Divulgação/Marcelo Horn)
Por Agência O GloboPublicado em 19/10/2021 21:26 | Última atualização em 19/10/2021 20:16Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O governo do estado do Rio pretende implantar, a partir de 2022, a Tarifa Social, um meio de custear parte da passagem para os usuários dos trens e metrô, válido apenas para quem utiliza o Bilhete Único. Hoje, a medida beneficia somente os usuários do transporte por barcas, cuja tarifa é de R$ 5,15 quando paga com o BU.A diferença para atingir os R$ 6,90 do valor normal é subsidiada pelo governo ao concessionário.

A informação foi prestada pela subsecretária de Mobilidade e Integração Modal do estado, Paula Azem, ao participar do seminário Colapso da Mobilidade Urbana, organizado pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). A Tarifa Social foi aprovada pela Assembléia Legislativa (Alerj) em 2014.

— A gente já tentou (colocar em prática) este ano, mas, pelo estado estar em regime de recuperação fiscal, não conseguimos levar (o projeto) à frente. Mas estamos em negociações avançadas junto à Fazenda para que a gente possa incluir as despesas da Tarifa Social (no orçamento) — disse a subsecretária, sem dar mais detalhes de como a Secretaria de Estado de Transportes vai viabilizar a proposta.

Perda definitiva de 20% dos passageiros

A crise no sistema de transporte do estado, agravada pela pandemia, foi o tema do seminário. De acordo com o presidente dos Conselhos Empresariais de Logística e Transporte da ACRJ, Delmo Pinho, que foi secretário de Transportes do governo de Wilson Witzel, a pandemia transformou a mobilidade urbana da cidade. Ele prevê uma perda definitiva de 20% dos passageiros do sistema:

— No futuro próximo, ano que vem ou 2023, é muito provável que a gente vá perder 20% da demanda de passageiros de forma definitiva. Os hábitos mudaram. Algumas empresas já falam em manter o trabalho híbrido (parte presencial e parte em home-office), e isso vai impactar no serviço de transportes — prevê.

Dados apresentados pela subsecretária de Mobilidade e Integração Modal do estado mostram que todos os meios de transportes tiveram redução de passageiros depois do ínicio da pandemia: as barcas tiveram queda de mais de 70% dos usuários; o metrô, de 50%; o trem, de 45%; e os ônibus, que tiveram recuperação, ainda sofrem com 25% na diminuição da demanda, segundo Paula Azem.

Entre as causas para a crise está o reajuste no valor do diesel, o furto de roubos de cabos, para os trens, além das medidas restritivas impostas pela pandemia da Covid-19.

Todos os aspectos debatidos serão levados para o Executivo e o Legislativo estadual e municipal para que sejam descutidas políticas públicas para o sistema de transporte do Rio.

Quer saber tudo sobre a retomada econômica? Assine a EXAME