Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Relator do Orçamento diz que pessoas com fome "não vão esperar" reformas

Para o senador Márcio Bittar (MDB-AC), Legislativo e Executivo precisam chegar a uma solução conjunta para viabilizar auxílio

O relator do Orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC), disse nesta quarta-feira, 10, que as pessoas que passam fome no país “não vão esperar” pela aprovação das reformas defendidas pelo governo. Sobre a inclusão de um novo auxílio emergencial na peça orçamentária, ele afirmou que, por enquanto, “tudo é especulação” e que a decisão precisa ser tomada em conjunto entre Executivo e Legislativo. 

“A retomada da agenda, as reformas, as pessoas que precisam comer não vão esperar. O que há é um consenso de que a agenda precisa ser retomada e as pessoas que precisam comer, comam”, disse Bittar, após reunião de instalação da Comissão Mista de Orçamento (CMO), responsável por avaliar a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021. O auxílio, na opinião dele, precisaria vir junto a medidas de ajuste fiscal, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, que cria gatilhos em casos de descumprimento do teto de gastos.

O andamento conjunto das matérias “sinaliza com clareza a retomada da agenda econômica e o cuidado com brasileiros que ainda precisam do Estado”, acredita Bittar. “É fundamental, como sinal de responsabilidade, que, ao apresentar a peça orçamentária, se dentro dela estiver a solução para os brasileiros que ainda precisam do Estado, tenha também por exemplo as PECs emergenciais, gatilhos”, defendeu.

O Orçamento de 2021, já atrasado, deve ser votado até março. Bittar afirmou que pretende apresentar o parecer nas próximas semanas, mas não cravou uma data. “Temos até final de março para aprovar. Se depender de mim, a gente aprova o Orçamento ao mesmo tempo com sinais claros de retomada da pauta de reformas”, disse. Antes, na reunião da CMO, o senador afirmou que "não podemos virar as costas para brasileiros que ainda precisam da ajuda do estado brasileiro”.

Também nesta quarta, Bittar e Flávia Arruda (PL-DF), presidente da CMO, se reuniram com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para tratar do Orçamento. Após o encontro, o ministro disse que é preciso ter "sensibilidade social", mas não mencionou auxílio. "Esse compromisso de sensibilidade social, de um lado, e responsabilidade fiscal por outro é justamente a marca de um Congresso reformista, de um presidente determinado e das lideranças políticas construtivas que nós temos hoje no Brasil”, comentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também