Reforma da Previdência é uma questão mais complexa, diz Alckmin

O governador de São Paulo defendeu a aprovação reforma trabalhista como está, mas acredita que a da Previdência precisa ser mais discutida

São Paulo - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu a aprovação da reforma trabalhista no Senado com o mesmo conteúdo aprovado pela Câmara dos Deputados, sem alterações.

Por outro lado, o tucano afirmou que a reforma da Previdência, que ainda está na Câmara, é uma questão mais complexa e precisa ser discutida.

O governador defende que os servidores públicos tenham as mesmas regras dos trabalhadores vinculados ao regime geral do INSS.

Ele é crítico das concessões feitas pelo presidente Michel Temer (PMDB) para contemplar servidores e aumentar o grau de aprovação entre os parlamentares.

"Nós precisamos caminhar no sentido de ter o regime geral da Previdência, não ter regras diferentes para quem é do setor público e do setor privado", disse o tucano, após participar de cerimônia em celebração ao Dia da Língua Portuguesa, que é comemorado amanhã, 5.

O governador afirmou que o sistema previdenciário do Estado de São Paulo é "o melhor do Brasil" e um modelo para a Previdência federal.

Ele diz que, ao estabelecer o mesmo teto do INSS para servidores que entraram na carreira após 2013, e criar um sistema complementar para aposentadorias acima do teto, o déficit previdenciário acabará no futuro.

"No curto prazo, até onera mais, porque o Estado continua pagando o déficit e contribui para o sistema novo. Mas em dez anos, daqui para frente, vai salvar o Estado", disse.

Na terça-feira, 2, Alckmin já havia criticado a proposta como está sendo discutida na Câmara e disse que o Brasil não pode fazer uma "reforma do INSS", mas, do "sistema geral".

Alckmin e os outros governadores tucanos participaram de uma reunião promovida pelo PSDB em Brasília com o presidente Michel Temer (PMDB), na quarta-feira (03), para discutir o apoio do partido às reformas do Planalto.

No encontro, os integrantes da cúpula do PSDB entenderam que não há necessidade de adotar o fechamento de questão para a reforma da Previdência na Câmara.

Para a reforma trabalhista, Alckmin classificou o relatório do tucano Rogério Marinho (RN) como "muito bom" e defendeu que os senadores aprovem o texto sem alterações, para a proposta não precisar voltar à Câmara.

O governador disse ainda que o fim do imposto sindical obrigatório, como propôs Marinho, é necessário.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.