Procuradoria a Moro revisão da delação de Schahin

O empresário Milton Schahin é réu na mesma ação penal em são acusados os lobistas do PMDB Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho

São Paulo - O Ministério Público Federal requereu ao juiz federal Sérgio Moro que reveja o acordo de delação premiada do empresário Milton Schahin.

A força-tarefa da Operação Lava Jato informou ao magistrado na segunda-feira, 24, que houve "omissão na apresentação de documentação e de informações importantes".

Schahin é réu na mesma ação penal em são acusados os lobistas do PMDB Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho.

A força-tarefa da Lava Jato afirma que os Luz teriam atuado como representantes dos interesses de parlamentares e ex-executivos da Petrobras "corrompidos para recebimento de propina em contratos de aquisição e operação de navios-sonda da Área Internacional da estatal".

São objetos da denúncia os contratos de aquisição dos navios-sonda Petrobras 10.000 e Vitoria 10.000 e a contratação da Schahin Engenharia para operação do navio-sonda Vitoria 10.000 ao custo de US$ 1,6 bilhão.

Os executivos do grupo Schahin ofereceram, segundo o Ministério Público Federal, propina de US$ 2,5 milhões aos funcionários da Área Internacional da Petrobras para dar viabilidade técnica à contratação.

Nesta segunda-feira, 24, a força-tarefa relatou a Moro que, após compartilhamento de provas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), foram localizadas minutas referentes aos contratos entre Schahin Engenharia e a Gea Projetos, a Casablanca International Holdings LTD - offshore do grupo - e a Pentagram Engineering LTD - offshore de Bruno Luz e Jorge Luz.

"Ainda foi encontrado contrato assinado entre a Cap Dupell e a Pentagram Engineering LTD. De acordo com o interrogatório de Bruno Luz, a Cap Dupell é também uma offshore pertencente aos Schahin. Por fim, também foi identificada uma pauta referente a cobranças envolvendo a propina devida pela Schahin a Jorge Luz e Bruno Luz. Vale ressaltar que a existência de instrumentos contratuais foi negada por Milton Schahin em colaboração premiada, o qual também afirmou não possuir documentos e demais extratos envolvendo os pagamentos para Jorge e Bruno Luz", narrou a força-tarefa.

"Desse modo, junta-se comunicações entre a defesa de Milton Schahin e esta força-tarefa, a fim de que a colaboração do acusado seja devidamente avaliada na sentença, mormente em relação à omissão na apresentação de documentação e de informações importantes para o deslinde da causa."

Jorge Luz e Bruno Luz estão presos preventivamente desde 25 de fevereiro, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Em interrogatório perante Moro, na semana passada, Jorge Luz confessou ter intermediado propinas de R$ 11,5 milhões aos senadores do PMDB Renan Calheiros (AL) e Jader Barbalho (PA), ao ex-ministro Silas Rondeau e ao deputado Anibal Gomes (CE) - todos os parlamentares negam enfaticamente recebimento de valores ilícitos.

A reportagem procurou a Schahin, mas ainda não obteve retorno.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.