Brasil

Prisão de Daniel Silveira não é assunto de governo, afirma líder na Câmara

Silveira foi preso ontem por determinação do ministro Alexandre de Moraes, após o deputado publicar vídeo com ofensas e ameaças a membros da Corte

Prisão: "Não é assunto de governo", disse Barros ao ser questionado se o governo havia definido alguma posição sobre a prisão de Silveira (Plínio Xavier/Agência Câmara)

Prisão: "Não é assunto de governo", disse Barros ao ser questionado se o governo havia definido alguma posição sobre a prisão de Silveira (Plínio Xavier/Agência Câmara)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 17 de fevereiro de 2021 às 11h44.

Última atualização em 17 de fevereiro de 2021 às 12h41.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou nesta quarta-feira, 17, que a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) "não é assunto de governo". Ex-vice-líder do governo, Silveira foi preso ontem por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), após o deputado publicar vídeo com ofensas e ameaças a membros da Corte.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-PR), convocou para esta tarde reunião extraordinária da Mesa Diretora da Casa e do colégio de líderes para tratar sobre a prisão de Silveira. Os parlamentares devem definir quando a Casa vai analisar o assunto em plenário. Em caso de prisão de parlamentares em flagrante de crime inafiançável, a Constituição prevê que a respectiva Casa legislativa delibere sobre a detenção.

"Não é assunto de governo", disse Barros ao Estadão/Broadcast ao ser questionado se o governo havia definido alguma posição sobre a prisão de Silveira e se o caso seria comentado. A prisão do deputado foi determinada no âmbito do inquérito que apura ameaças, ofensas e fake news disparadas contra ministros do Supremo e seus familiares. O caso pode ser analisado pelo plenário do STF nesta quarta-feira.

Daniel Silveira também é investigado no inquérito que mira o financiamento e organização de atos de teor antidemocrático em Brasília. Em aceno ao STF, o envolvimento no inquérito que apura as manifestações foi um dos motivos para a destituição de Silveira da vice-liderança do governo.

Na época, em julho do ano passado, o deputado bolsonarista chegou a dizer que sua saída do cargo era para acomodar parlamentares do Centrão. No mês seguinte, Ricardo Barros assumiu a liderança do governo na Casa no lugar do então líder Vitor Hugo (PSL-GO). E, em 30 setembro de 2020, o governo nomeou dez novos nomes, totalizando 14, para a vice-liderança na Câmara para que cada partido da base de apoio ao governo tivesse um cargo na liderança.

Indicado pelo Centrão para a presidência da Câmara, Arthur Lira tem agora o primeiro teste diante do Judiciário desde que assumiu o comando da Casa. Em suas redes sociais, Lira se comprometeu a tratar a prisão de Silveira com "serenidade" e se guiar pela Constituição.

PSOL vai entrar com pedido de cassação do mandato de Daniel Silveira na Câmara

A líder do PSOL na Câmara, deputada Talíria Petrone (RJ), anunciou nesta quarta-feira, via redes sociais, que o partido entrará com pedido de cassação do mandato do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara.

Segundo a parlamentar, o PSOL já está articulando para que outros partidos de oposição também assinem o pedido de cassação. "Como deputado, ele não pode ameaçar as instituições democráticas e a imunidade parlamentar não pode ser desculpa para isso" afirmou.

Silveira foi preso na noite de terça-feira (16) por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes após ter compartilhado vídeo com apologia ao Ato Institucional 5 (AI-5) da ditadura militar e ataques e ameaças a membros da Corte.

A Câmara deve analisar ainda hoje e dar uma resposta até o fim do dia à prisão em flagrante de Silveira, aliado do presidente Jair Bolsonaro.

Acompanhe tudo sobre:Alexandre de MoraesArthur LiraCâmara dos DeputadosGoverno BolsonaroPrisõesPSOL – Partido Socialismo e LiberdadeSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame