Presidente do PT defende novo programa econômico-social

Projeto de Rui Falcão se alinha ao do ex-presidente Lula por foco no emprego, investimento em infraestrutura e reforma tributária

Brasília - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu nesta segunda-feira, 11, a criação de um novo programa "econômico-social" para ser lançando pelo governo, caso a presidente Dilma Rousseff mantenha o mandato, após o processo de impeachment.

"Um novo programa econômico-social, com foco no emprego, na distribuição de renda, no investimento em infraestrutura, na melhoria dos serviços públicos e na reforma tributária - eis o que o nosso governo deveria apresentar ao País, logo após o pós-impeachment, ou seja, depois de vencermos o golpe em andamento no Congresso", diz Falcão, em artigo publicado na página do partido na internet.

O posicionamento de Falcão é igual ao do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para este, a crise econômica é o principal motivo dos problemas enfrentados pelo governo no Congresso. Falcão defendeu ainda a retomada do "debate sobre a reforma política".

O foco de possíveis mudanças na economia pós-impeachment deverá ser a classe média e classe média baixa.

Para isso, o ex-presidente quer retomar a ideia de "dinamizar a economia" com a facilitação da liberação de crédito. Inicialmente, líderes da legenda defendiam mexer com um terço das reservas internacionais.

Nas conversas da última semana, Lula avança nesta proposta e tem defendido o uso de dois terços.

As mudanças defendidas por ele tem tido, contudo, resistência do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, que afirma acreditar que o uso das reservas pode passar uma imagem ruim para os investidores estrangeiros.

Apesar de possíveis relutâncias no do Palácio do Planalto, o sentimento é de que, se não houver uma guinada conduzida por Lula, ele e a agremiação vai "sangrar" até a próxima eleição de 2018, podendo não ter forças para manter o projeto de poder em curso desde 2001.

No comunicado, o presidente nacional do PT também trata da possibilidade da divulgação de uma nova carta aos brasileiros como a que foi publicada pelo ex-presidente em 2002, para tentar acalmar o mercado financeiro, contrário à candidatura presidencial do partido.

Ele também convoca a militância para se manter mobilizada nos dias que antecedem a votação do impeachment no plenário da Câmara. "Esta é uma semana decisiva, com inúmeras manifestações já programadas." Falcão citou em seguida a manifestação de ontem no Rio e " jornadas do dia 15" no País.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também