Brasil

Prefeito de São Paulo sanciona lei que torna igrejas serviços essenciais

Ainda assim, as instituições religiosas deverão observar as determinações sanitárias

A lei é de autoria do vereador Rinaldi Digilio (PSL) (Nacho Doce/Reuters)

A lei é de autoria do vereador Rinaldi Digilio (PSL) (Nacho Doce/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 25 de setembro de 2021 às 12h22.

O prefeito de São Paulo Ricardo Nunes (MDB) sancionou na última sexta-feira, 24, o Projeto de Lei nº 410/2020, que reconhece as atividades religiosas como serviços essenciais a qualquer tempo, inclusive durante pandemias como a da Covid. A sanção da nova lei foi publicada na edição deste sábado, 25, do Diário Oficial da Cidade. A lei é de autoria do vereador Rinaldi Digilio (PSL). O projeto já tinha sido aprovado em primeira votação em dezembro de 2020.

  • Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

De acordo com artigo 1º da lei "ficam reconhecidas como serviços essenciais às atividades realizadas pelas igrejas ou templos de qualquer culto, inclusive em situação de emergência, perigo iminente, de calamidade pública ou decorrente de epidemias ou pandemias."

Ainda assim, as instituições religiosas deverão observar as determinações sanitárias destinadas à prevenção e mitigação da situação de risco, regulamentadas pelos órgãos competentes nos casos de situação de emergência, calamidade pública ou decorrente de epidemias ou pandemias.

Em março, o governador João Dória (PSDB) também assinou um decreto reconhecendo as igrejas como serviços essenciais, A realização de missas e cultos seguindo regras sanitárias e de distanciamento social já estão permitidas desde a fase vermelha do Plano SP de Combate à Covid.

Acompanhe tudo sobre:sao-pauloServiços

Mais de Brasil

Roberto Jefferson paga R$ 40 mil à PF por conserto de viatura que atingiu com 42 tiros

Brasil inclui luta contra racismo pela 1ª vez na agenda do G20

AliExpress e Shopee antecipam data de taxação de compras de até US$ 50; veja quando passa a valer

PM impõe 100 anos de sigilo a processos disciplinares de Mello, candidato a vice de Nunes em SP

Mais na Exame