Senador defende ida de Rosemary ao Congresso

Para Ricardo Ferraço (PMDB-ES), Rosemary deveria ser a "primeira interessada" em explicar as suspeitas que pairam sobre ela na operação Porto Seguro

Brasília - O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) defendeu na manhã desta terça-feira à Agência Estado que Rosemary Nóvoa de Noronha, ex-chefe de gabinete do escritório da Presidência da República em São Paulo, compareça ao Congresso Nacional para esclarecer as acusações que a envolvem na Operação Porto Seguro, deflagrada na última sexta-feira (23) pela Polícia Federal.

Indicada ao posto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Rosemary foi indiciada pela PF por corrupção ativa e passiva e foi demitida do cargo no final de semana, pela presidente Dilma Rousseff.

"A protagonista é ela, não tem como não trazer", afirmou Ferraço. Para o senador, a estratégia dos líderes da base aliada do governo de permitir apenas o comparecimento dos ministros Luís Inácio Adams, da Advocacia Geral da União, e José Eduardo Cardozo, da Justiça, não estanca a crise decorrente do esquema de venda de pareceres técnicos em órgãos federais, desbaratada pela ação policial.

Nesta quarta-feira (28) deve ser discutido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado o requerimento apresentado pelo colega de partido do capixaba, Pedro Simon (RS), que apresentou um convite para que o ministro da Justiça compareça à Casa para explicar a operação da PF, subordinada a ele. Ricardo Ferraço disse que deve aproveitar a reunião da CCJ para cobrar a vinda de Rosemary e de investigadores que atuaram na operação, como o delegado e superintendente da PF em São Paulo, Roberto Troncon Filho.

Para Ferraço, Rosemary deveria ser a "primeira interessada" em explicar as suspeitas que pairam sobre ela na operação Porto Seguro. A ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo está envolvida, segundo a PF, no esquema de compra de pareceres em órgãos públicos favoráveis a interesses privados.

Ela também influenciou na indicação para postos-chave de integrantes do grupo criminoso, como o diretor afastado da Agência Nacional de Águas (ANA) Paulo Rodrigues Vieira, apontado como chefe do esquema.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.