Brasil
Acompanhe:

PF abre inquérito para apurar crimes contra indígenas Yanomami

Serão investigados crimes de genocídio, omissão de socorro, crimes ambientais e peculato. A investigação tramitará em Roraima, sob sigilo

Terra Indígena Yanomami: Dino disse ver "fortes indícios" de genocídio por parte da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (Aldarey Tamandaré/Fotos Públicas)

Terra Indígena Yanomami: Dino disse ver "fortes indícios" de genocídio por parte da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (Aldarey Tamandaré/Fotos Públicas)

E
Estadão Conteúdo

25 de janeiro de 2023, 12h42

A Polícia Federal (PF) instaurou inquérito, por determinação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, para apurar os responsáveis pela crise humanitária na Terra Indígena Yanomami. Serão investigados crimes de genocídio, omissão de socorro, crimes ambientais e peculato. A investigação tramitará em Roraima, sob sigilo.

Em coletiva realizada na última segunda-feira, dia 23, Dino disse ver "fortes indícios" de genocídio por parte da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. O ministro disse que "assassinar crianças é forma óbvia de levar a um extermínio de um povo". De acordo com a pasta, mais de 500 crianças indígenas morreram por causas evitáveis nos últimos quatro anos na região.

O ministro também apontou para indícios de corrupção e disse que "milhões de reais foram alocados" a atendimento aos indígenas, "mas não encontraram eficácia". Outro eixo de ação do ministério de acordo com o Dino, será a "desintrusão" de terras invadidas por garimpo ilegal.