Brasil

Partido de Marina já certificou 160 mil assinaturas

Rede Sustentabilidade avalia que já tem o número suficiente de assinaturas para a formação do partido

Ex-senadora Marina Silva no lançamento de seu partido: para que o partido seja registrado, são necessárias 491.656 assinaturas válidas (José Cruz/ABr)

Ex-senadora Marina Silva no lançamento de seu partido: para que o partido seja registrado, são necessárias 491.656 assinaturas válidas (José Cruz/ABr)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de agosto de 2013 às 21h05.

Brasília - A Rede Sustentabilidade avalia que já tem o número suficiente de assinaturas para a formação do partido da ex-ministra Marina Silva. "Já temos cerca de 832 mil assinaturas, sendo 160 mil certificadas", informou Marcela Moraes, coordenadora de Organização da nova legenda, nesta segunda-feira, após reunião da Executiva da Rede. Marcela disse que outras 550 mil assinaturas já catalogadas pelos integrantes da Rede foram encaminhadas aos cartórios eleitorais. Para que o partido seja registrado, são necessárias 491.656 assinaturas válidas.

Também na reunião da Executiva desta segunda foi informado o pedido de criação de seis diretórios estaduais: Amazonas, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Piauí, Santa Catarina e Sergipe. Todos eles já cumpriram as formalidades legais. A legislação exige ainda que mais três Estados alcancem o número de assinaturas válidas, correspondentes a 0,1% do eleitoral local.

Marcela Moraes disse que, nesta semana, outros dois ou três Estados poderão pedir o registro dos diretórios. Já estão próximos de cumprir todas as formalidades Acre, Alagoas, Amapá, Rondônia e Tocantins.

Com a batalha das assinaturas quase ganha, a Rede Sustentabilidade se prepara agora para outra luta. E essa depende muito da atuação de Marina Silva. Caberá a ela trabalhar no Senado para evitar que seja aprovada até outubro (quando ficará faltando um ano para a eleição do ano que vem) a lei que cria obstáculos ao fundo partidário e ao tempo de TV para os novos partidos. No semestre passado, numa votação relâmpago, a Câmara aprovou proposta que, se for confirmada pelos senadores, dificultará o acesso de Marina Silva ao programa eleitoral, caso ela decida se candidatar a presidente da República.

Na pesquisa Ibope/Estado de S. Paulo de 18 de julho, numa simulação de segundo turno entre a presidente Dilma Rousseff e Marina Silva, foi registrado empate técnico. A presidente aparece com 35% da preferência do eleitorado, contra 34% de Marina. Na simulação do primeiro turno, Dilma teria, segundo a pesquisa, 30% das intenções de voto, contra 22% de Marina, 13% do tucano Aécio Neves e 5% do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).

Acompanhe tudo sobre:CelebridadesMarina SilvaPartidos políticosPersonalidadesPolíticaPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosRede Sustentabilidade

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

Mais na Exame