A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Pacheco decide rejeitar pedido de impeachment contra Alexandre de Moraes

O presidente do Senado confirmou sua decisão sobre o pedido de impeachment feito por Bolsonaro contra o ministro do STF na noite desta quarta-feira, 25

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decidiu rejeitar o pedido de impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes apresentando pelo presidente Jair Bolsonaro. 

A decisão foi formalizada e anunciada por Pacheco em coletiva logo após o encerramento da sessão da Casa. Como presidente do Senado, cabe a Pacheco decidir se acolhe ou rejeita pedidos de impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Durante a entrevista, o presidente do Senado afirmou que, ao receber o pedido de impeachment por parte de Bolsonaro, enviou o documento para análise da Advocacia Geral do Senado. O parecer técnico indicou o arquivamento do processo, por falta de justa causa. 

“O parecer da Advocacia Geral do Senado, muito bem fundamentado, reconhece que os fatos declinados na petição de impeachment não se superpõem à lei 1079, a um rol taxativo de hipóteses que admitem impeachment de ministro do STF”, disse Pacheco. 

O presidente do Senado ressaltou que não há previsão legal para que o processo avance. “Para que se ande um processo dessa natureza, é preciso haver adequação do fato ao que prevê a lei federal”, disse.

Os fatos elencados por Bolsonaro na petição, segundo ele, não estão no rol de hipóteses previsto em lei.Pacheco disse também que, além do lado técnico e jurídico da decisão, há um componente político.

“Há também um aspecto importante, que é o da preservação de algo fundamental, que é a separação dos poderes e a necessidade de que essa independência de cada um dos poderes seja garantida e haja convivência, a mais harmoniosa possível”, disse.

O pedido foi apresentado por Bolsonaro na sexta-feira, 20, na esteira de uma crise institucional entre os Poderes. O presidente da República alega que o integrante da corte atuou como "verdadeiro censor da liberdade de expressão ao interditar o debate de ideia e o respeito à diversidade".

Em julho, Moraes determinou que a Polícia Federal retomasse investigação sobre suposta interferência de Bolsonaro no comando da corporação.

Depois, no início de agosto, acolheu notícia-crime encaminhada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o presidente por sua conduta ao atacar o sistema de votação brasileiro.

Alguns dias depois, o ministro determinou abertura de inquérito contra Bolsonaro por vazamento de informações sigilosas de investigação da Polícia Federal sobre ataque cibernético sofrido pelo TSE em 2018, meses antes das eleições e sem conexão com essas.

Também foi o responsável por decisão que determinou a prisão do ex-deputado e presidente do PTB Roberto Jefferson, aliado de Bolsonaro, no âmbito de inquérito que apura a existência de uma organização criminosa digital disseminadora de notícias falsas e de ataques à democracia.

(Com informações da Reuters)

Entenda como a Câmara, o Senado e o Planalto afetam seus investimentos. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também