Os indícios que a Lava Jato tem contra a Odebrecht até agora

A 14ª fase da Operação Lava Jato colocou a Odebrecht, a maior empreiteira do país, no centro do escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras. Entenda os indícios que a polícia tem contra a empresa, e o que diz a empreiteira.

São Paulo – Deflagrada na última sexta-feira, a 14ª fase da Operação Lava Jato colocou a Odebrecht, a maior empreiteira do país, no centro do escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras.

Batizada de Erga Omnis (que significa “vale para todos”), a ação prendeu executivos da empreiteira, dentre eles o presidente Marcelo Odebrecht. Também foram presos executivos da Andrade Gutierrez.

Veja a seguir os indícios que a Operação Lava Jato tem até agora contra a Odebrecht e o que a empresa tem a dizer:

Delação 1

Um dos indícios contra a Odebrecht, segundo as investigações, é que a empresa aparece em depoimentos de delatores da Operação Lava Jato.

Em um dos seus depoimentos, o delator Dalton Avancini, executivo da Camargo Corrêa, falou sobre a propina paga pela Camargo Corrêa e disse que o dinheiro também era fornecido por outras empresas, dentre elas a Odebrecht.

Delação 2

A suspeita de que a Odebrecht estaria envolvida no esquema de corrupção é reforçada por outra delação. Em um dos seus depoimentos, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, afirmou que recebia dinheiro da Odebrecht em contas no exterior.

Ainda segundo o delator, foi um executivo da empreiteira, Rogério Santos de Araújo, quem sugeriu que ele abrisse uma conta no exterior para receber o dinheiro. Costa disse ainda que a transações tinham o envolvimento do doleiro Bernando Freiburghaus, que vive na Suíça.

Delação 3

Outra delação que aponta para o envolvimento da Odebrecht no esquema é a de Rafael Angulo Lopes, o “carregador de malas” do doleiro Alberto Youssef.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, Lopes disse à Lava Jato que o doleiro recebia comprovantes de depósitos feitos pela empreiteira no exterior. Ele inclusive apresentou alguns desses comprovantes aos investigadores.

O próprio doleiro Alberto Youssef disse à Justiça que operacionalizou pagamentos de propina para a Odebrecht.

E-mail

Um dos principais indícios de envolvimento da empresa no esquema de corrupção na Petrobras, segundo a polícia, é uma troca de e-mails entre executivos da empresa, que inclui o presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht.

Na mensagem, o executivo Roberto Prisco Ramos fala sobre “um sobrepreço” num contrato de sondas (veja o e-mail completo). 

Segundo a investigação, o e-mail reforça a tese de que a Odebrecht tinha poder de decisão no esquema.

Bilhete

Preso desde a última sexta-feira, o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, escreveu um bilhete que chamou a atenção da polícia. Apreendida na carceragem da Polícia Federal, a mensagem falava em “destruir” o e-mail sobre as sondas.

Segundo a advogada de Odebrecht, Dora Cavalcanti, o bilhete foi mal interpretado. Ela disse que o verbo "destruir" foi usado no sentido de "explicar" ou "rebater" o conteúdo do e-mail sobre sondas.

Para a Odebrecht, o delegado da Polícia Federal (Eduardo Mauat, que integra a força-tarefa da Operação Lava Jato), 'infelizmente optou por dar publicidade e ares de escândalo em um bilhete com simples orientações do cliente para seus advogados'. A empreiteira diz que o delegado feriu 'a proteção da relação que a Lei garante a todos os cidadãos brasileiros'.

O que diz a Odebrecht?

A empresa nega veementemente envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

Em comunicado publicado na segunda-feira nos principais jornais do país, a Odebrecht nega que haja cartel nos contratos com a Petrobras, e explica o termo “sobrepreço”, usado no e-mail.

Segundo a empresa, a palavra é uma expressão que significa "remuneração contratual”. A expressão vem do termo em inglês “cost plus fee” e é “usual no mercado”, explica.

A empresa também considerou desnecessárias as prisões de seus executivos. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também