Brasil
Acompanhe:

Mauro Borges também encaminhou carta de demissão

Ministra da Cultura, Marta Suplicy, entregou comunicado igual nesta terça e o ministro do Trabalho, Manoel Dias, informou que fará o mesmo na próxima terça


	Ministro Mauro Borges, sobre a entrega de cargos: "há uma visão geral de todos os ministros de que o momento é adequado"
 (Marcelo Camargo/ABr)

Ministro Mauro Borges, sobre a entrega de cargos: "há uma visão geral de todos os ministros de que o momento é adequado" (Marcelo Camargo/ABr)

M
Mariana Branco

Publicado em 12 de novembro de 2014, 13h08.

Brasília - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, informou que encaminhou ontem (11) carta colocando seu cargo à disposição da presidente Dilma Rousseff.

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, entregou comunicado igual nesta terça-feira e o ministro do Trabalho, Manoel Dias, informou que fará o mesmo na próxima terça (18).

Borges negou que haja prazo para os ministros encaminharem cartas ao Planalto. Segundo ele, o que existe é uma "visão geral" de que o momento é oportuno.

"Não [houve pedido de antecipar a entrega das cartas pondo o cargo à disposição]. Na verdade, há uma visão geral de todos os ministros de que o momento é adequado. Estamos dentro do calendário da transição, no início da transição. Evidentemente nós nos falamos. Existe uma comunicação entre os ministros, com o próprio ministro [Aloízio] Mercadante, que é o coordenador, chefe da Casa Civil. Mas esse é um procedimento absolutamente natural", declarou.

De acordo com Borges, é "absolutamente salutar" deixar a presidente à vontade para montar o ministério para o segundo mandato. "É parte da democracia e eu considero isso altamente positivo", comentou.

Ele sinalizou ainda que deve voltar a ser professor na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "O leito natural do meu retorno é a UFMG. É claro que eu estou à disposição do país", disse.