Brasil

Lula nomeia seis mulheres e três ativistas do movimento negro para ministérios

As futuras ministras são, até aqui, 28,5% dos futuros ministros anunciados

Lula: o petista vinha sendo cobrado por aliados e por apoiadores por observar representatividade na formação da Esplanada (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Lula: o petista vinha sendo cobrado por aliados e por apoiadores por observar representatividade na formação da Esplanada (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

AO

Agência O Globo

Publicado em 22 de dezembro de 2022 às 12h56.

Ao anunciar um pacote de 16 ministros de seu futuro governo nesta quinta-feira, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nomeou seis mulheres e três ativistas do movimento negro. Desde que havia indicado, ainda em novembro, a primeira leva, formada por cinco homens, o petista vinha sendo cobrado por aliados e por apoiadores por observar representatividade na formação da Esplanada. Até aqui, as mulheres representam 28,5% dos futuros ministros.

As mulheres indicadas por Lula foram:

  • Nísia Trindade, presidente da Fiocruz, para a Saúde;
  • Esther Dweck, economista, para Gestão
  • Luciana Santos, presidente do PCdoB, para Ciência e Tecnologia;
  • Cida Gonçalves, consultora de políticas públicas sobre violência de gênero, para a pasta da Mulher;
  • Margareth Menezes, artista, para a Cultura
  • Anielle Franco, eduadora, para Igualdade Racial

Outras mulheres estão cotadas para integrarem o primeiro escalão. Entre elas, a senadora Simone Tebet (MDB), que apoiou Lula no segundo turno, não ficará com o Desenvolvimento Social, como preferia; a ex-ministra Marina Silva (Rede), cotada para o Meio Ambiente ou para a autoridade climática; e a ex-jogadora de vôlei Ana Moser, para a pasta de Esportes.

Além delas, foram incluídos na futura gestão três representantes do movimento negro: o advogado e filósofo Silvio Almeida, para Direitos Humanos, além de Anielle Franco e Margareth Menezes.

Ao anunciar o primeiro pacote, Lula reconheceu estar sendo cobrado e pediu paciência aos apoiadores, afirmando que a representatividade era uma de suas preocupações ao montar o quebra-cabeça da equipe. Nesta quinta-feira, Lula se referiu ao futuro ministro do Desenvolvimento Social, o ex-governador do Piauí Wellington Dias, que tem origem indígena", como "nosso melhor índio".

Desde a campanha eleitoral, Lula vem afirmando que criará o Ministério dos Povos Originários, para representar os indígenas no primeiro escalão. A líder da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APib), Sônia Guajajara, filiada ao PSOL, a líder indígena Joenia Wapichana e o procurador jurídico da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari, Eliésio Marubo, são os cotados para a nova pasta.

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:DiversidadeLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Lula, 'BolsoNunes' e 'paz e amor': convenção dá tom de como será a campanha de Boulos em SP

Sob gestão Lula, assassinatos contra indígenas no Brasil aumentam 15% em 2023, aponta relatório

PRTB marca data de convenção para anunciar candidatura de Marçal no mesmo dia do evento de Nunes

Moraes defende entraves para recursos a tribunais superiores e uso de IA para resolver conflitos

Mais na Exame