Brasil

Lula e Lewandowski devem se encontrar nessa segunda-feira no Palácio do Planalto

Ex-ministro do STF é cotado para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública no lugar de Dino, indicado ao Supremo

O presidente Lula e o ex-ministro do STF Ricardo Lewandowski, entre outras autoridades, em reunião de janeiro de 2023 para discutir atos que vandalizaram sedes dos Três Poderes (Ricardo Stuckert/PR/Divulgação)

O presidente Lula e o ex-ministro do STF Ricardo Lewandowski, entre outras autoridades, em reunião de janeiro de 2023 para discutir atos que vandalizaram sedes dos Três Poderes (Ricardo Stuckert/PR/Divulgação)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 8 de janeiro de 2024 às 14h23.

Última atualização em 8 de janeiro de 2024 às 16h29.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve ter uma reunião nessa segunda-feira, 8, com o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski no Palácio do Planalto. O ex-magistrado é apontado como um dos favoritos para assumir o Ministério da Justiça no lugar de Flávio Dino, indicado ao STF. Segundo EXAME apurou, Lula e Lewandowski devem se reunir depois do evento em memória aos ataques do 8 de janeiro de 2023 aCongresso Nacional. O encontro não consta na agenda oficial do presidente.

Como mostrou EXAME, a expectativa era de que o substituto de Dino fosse conhecido neste mês de janeiro — e fontes falavam que a indicação poderia ocorrer antes do fim do mês. Lula ainda não desistiu de nomear Lewandowski para o posto. O ex-magistrado aposentado recebeu a sinalização de auxiliares do presidente de que terá poder para indicar todos os secretários da pasta, inclusive o secretário-executivo.

LEIA MAIS: Articulação política, eleições e reforma ministerial: as prioridades de Lula em 2024

Apesar disso, outros nomes são avaliados por Lula para o cargo, caso Lewandowski não aceite o convite.

Um dos cotados é o secretário especial de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Wellington César Lima e Silva, que já ocupou o cargo por um breve período no governo Dilma Rousseff. Silva tem como principal avalista o líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA).

Concorrem também o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Jorge Messias, e o advogado Marco Aurélio de Carvalho.

Uma mulher não é descartada para o posto, já que o presidente tem sido pressionado para aumentar a participação feminina na Esplanada dos Ministérios.

Aposentadoria de Lewandowski

Em abril do ano passado, a aposentadoria do ministro, estabelecida em decreto, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), confirmando sua saída da Corte da qual fez parte desde 2006.

Na época, o então ministro decidiu antecipar a aposentadoria e a decisão, segundo Lewandowski, foi tomada em função de "compromissos acadêmicos e profissionais". "Eu agora encerro um ciclo da minha vida e vou iniciar um novo ciclo", afirmou.

Em dezembro, com o avanço das especulações sobre seu nome para a pasta da Justiça, o ex-ministro do STF afirmou que não havia sido convidado para assumir cargo. "Olha, eu não fui convidado. Estou aqui participando da COP, acompanhando a comitiva dos empresários. Agora estou na CNI, presidindo o conselho jurídico da Federação Nacional da Indústria. Estou nessa condição", disse durante a COP28, na qual participou representando a CNI. 

Acompanhe tudo sobre:Ricardo LewandowskiFlávio DinoLuiz Inácio Lula da SilvaSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Greve INSS: Justiça determina que ao menos 15% das equipes sigam trabalhando nas agências

Sistema de informação do governo federal que está sob suspeita de ataque hacker segue fora do ar

Fogo em ônibus e moto interdita a Marginal Pinheiros em São Paulo

Mais na Exame