Brasil
Acompanhe:

Guedes: desempenho da economia foi bem melhor conosco do que antes

Ministro disse que é ignorância e incapacidade técnica declarar que há um conflito entre responsabilidade fiscal e social

 (Andre Coelho/Getty Images)

(Andre Coelho/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2022, 17h20

Na primeira fala pública após as eleições presidenciais, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 18, que o governo Jair Bolsonaro devolve o País com superávit primário pela primeira vez em 10 anos. Segundo ele, nos quatro anos de governo, o teto de gastos foi respeitado, a não ser em situações excepcionais.

Fique por dentro de tudo sobre as Eleições 2022 e os resultados das pesquisas eleitorais. Clique aqui e receba gratuitamente a newsletter EXAME Desperta.

"Teoria econômica aplicada funciona. Colocamos o Brasil no caminho da prosperidade. Comparado ao período anterior, onde não houve covid e guerra geopolítica, o desempenho da economia foi melhor conosco do que antes. Chegamos falando que o Estado brasileiro gasta muito e gasta mal. Cortamos privilégios com a reforma da Previdência", disse.

Guedes ainda declarou que o teto de gastos foi mal construído, apesar da filosofia original ser correta. Segundo ele, com o aumento de gastos nos últimos 30 anos, era necessário reduzir esse ritmo de expansão. Entretanto, ele criticou o fato de a norma não ter mecanismos para distribuição de recursos em momentos de bonança ou de crises.

Conflito entre social e fiscal

Guedes afirmou que é ignorância e incapacidade técnica declarar que há um conflito entre responsabilidade fiscal e social. Segundo ele, o maior programa de responsabilidade social do Brasil foi criado pelo governo Jair Bolsonaro.

Segundo Guedes, o Auxílio Brasil tem orçamento de R$ 150 bilhões e o Bolsa Família tinha R$ 50 bilhões. "Fizemos um programa social três vezes maior", disse.

Guedes ainda questionou onde estavam os 30 milhões de brasileiros passando fome que não foram descobertos durante o governo do PT.

"Já ganhou a eleição? Cala a boca, vai trabalhar, vai construir um negócio melhor. Se fizer menos barulho, trabalhar um pouco mais com a cabeça e menos com a mentira, talvez possa ser bom governo", afirmou.

O ministro também criticou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição, que prevê tirar do teto de gastos as despesas com o Bolsa Família. Segundo ele, usar o espaço fiscal para financiar obras públicas é um erro.

"Fazer PEC sem fonte de financiamento para fazer obras? Já ouvi essa história", disse.

LEIA MAIS: Parlamentares já estudam propostas para desidratar PEC da Transição