Brasil

Graça Foster está reunida com Dilma no Palácio do Planalto

A Petrobras está no foco das denúncias da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, envolvendo situações de corrupção


	Graça Foster: ela foi chamada a Brasília por Dilma para conversa sobre a situação da Petrobras
 (Pedro França/Agência Senado)

Graça Foster: ela foi chamada a Brasília por Dilma para conversa sobre a situação da Petrobras (Pedro França/Agência Senado)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de fevereiro de 2015 às 15h34.

Brasília - A presidente da Petrobras, Graça Foster, está reunida na tarde desta terça-feira, 3, com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto.

A situação da presidente da estatal se agrava a cada dia, diante dos problemas que estão sendo enfrentados pela empresa.

Hoje, a agência de classificação de risco Moody's afirmou que o rating da Petrobras pode ser novamente rebaixado se a relação dívida líquida/Ebitda da companhia ficar acima de 5 vezes por um período prolongado.

A afirmação consta de um relatório que visa responder perguntas frequentes dos investidores sobre a companhia.

A estatal está no foco das denúncias da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, envolvendo situações de corrupção.

Durante o fim de semana, a presidente Dilma, que ainda resistia em manter a amiga por mais um pouco de tempo no cargo, reconheceu que a atual presidente da estatal perdeu condições políticas para continuar no posto.

Mais cedo, o Palácio do Planalto negou que Graça Foster fosse deixar o cargo.

O fato é que Graça sofreu mais um grande desgaste político e se enfraqueceu ainda mais ao tentar considerar que foi de R$ 88 bilhões o prejuízo da estatal por causa dos desvios que estão sendo anunciados, ao declarar que a exploração de petróleo cairá "ao mínimo necessário" e ao anunciar que vai cortar investimentos e desacelerar projetos, na semana passada.

O fato é de que a saída de Graça Foster da Petrobras é só questão de tempo ou até de horas.

Graça Foster foi chamada a Brasília por Dilma para uma conversa sobre a situação da empresa.

Inicialmente, a ideia era mantê-la no cargo para ela continuar funcionando como um "colchão", uma barreira para que a crise da empresa não atinja o Planalto e a própria presidente Dilma Rousseff diretamente.

O fato é que a situação de Graça é muitíssimo complicada e a presidente Dilma já estaria buscando um nome para substituí-la, já que a sua situação é praticamente insustentável.

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasCorrupçãoDilma RousseffEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEscândalosEstatais brasileirasExecutivos brasileirosFraudesGás e combustíveisGraça FosterIndústria do petróleoMulheres executivasPersonalidadesPetrobrasPetróleoPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Brasil

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

'Fiquei surpreso de ver isso pela imprensa', diz Ricardo Nunes sobre queixas de Milton Leite

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

Mais na Exame