A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Governo mira a consolidação fiscal em 2014, diz Mantega

Segundo o ministro, o objetivo da programação orçamentária é a "consolidação fiscal", que contribuirá para redução da inflação e para o crescimento sustentado

Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou há pouco, que o objetivo da programação orçamentária é a "consolidação fiscal", que contribuirá para redução da inflação e para o crescimento sustentado do País. Mantega afirmou que a previsão de crescimento do PIB brasileiro de 2,5% em 2014, menor do que projeções anteriores do governo, se deve à recuperação lenta da economia mundial.

"Embora esteja ocorrendo recuperação da economia internacional, ela está sendo lenta. Talvez mais lenta do que aquilo que o mercado estava prevendo", disse.

"Iniciamos 2014 com volatilidade e alguma turbulência, que tende a se acalmar ao longo do ano." "Ela a turbulência se dá em função da retirada dos estímulos americanos e de outros países. Num primeiro momento, causa volatilidade, que atrapalha o crescimento dos países emergentes", disse.

A locomotiva do crescimento do Brasil continuará sendo o investimento, segundo Mantega. O ministro disse que o investimento, que cresceu em torno de 5,5% no ano passado, deverá continuar crescendo em 2014 "porque continuará tendo condições propícias para que isso ocorra".

Mantega afirmou que crescerão o investimento público e, "sobretudo", o privado. "O investimento privado tem um grande estímulo com esse programa de concessões que está sendo implementado e vai se traduzir já em 2014 em muitas obras e em muitos investimentos a serem feitos em todo o Brasil", disse. "Existe estimulo para crescimento privado em 2014 e nos próximos anos".

O ministro argumentou, ainda, que o investimento estrangeiro tem se mantido forte no País, apesar de tempos de crise e turbulência. "O investimento direto tem sido alto e um dos maiores do mundo. Continuamos recebendo ingresso de capitais e o Brasil segue atraente para capital externo".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também