Brasil

Fiocruz considera relaxamento no uso de máscara 'prematuro'

Boletim semanal sobre Covid-19 mostra queda nos indicadores, mas traz alertas dos cientistas

 (Adriano Machado/Reuters)

(Adriano Machado/Reuters)

AO

Agência O Globo

Publicado em 11 de março de 2022 às 17h05.

Pesquisadores da Fiocruz consideram que o relaxamento das medidas protetivas que em acontecendo em diversas cidades do país, em especial a liberação do uso de máscaras, é “prematuro”, segundo o Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19, divulgado nesta sexta-feira.

“Flexibilizar medidas como o distanciamento físico ou o abandono do uso de máscaras de forma irrestrita colabora para um possível aumento de casos, internações e óbitos, e não nos protege de uma nova onda”, afirmam os pesquisadores, para quem as próximas semanas serão cruciais para compreender como serão os novos cenários da Covid-19 em relação à transmissão.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME.

Segundo eles, ainda é preciso observar o possível impacto do Carnaval sobre a curva de casos, que vem se mantendo em queda há quase 15 dias.

Os dados referentes às duas últimas semanas epidemiológicas, de 20 de fevereiro a 5 de março, confirmam a tendência de queda nos indicadores de casos e mortes pela Covid-19. O documento aponta que houve uma diminuição de 48% no número de casos em relação às duas semanas anteriores e uma redução de 33% no número de óbitos. Entretanto, esses resultados ainda não incluem a avaliação do efeito do carnaval e da flexibilização do uso de máscaras.

Os dois anos de pandemia e as diversas variantes do SARS-CoV-2 “deixaram como legado para a ciência e a saúde o aprendizado de que é fundamental um esquema vacinal completo, incluindo a terceira dose, quando for o caso, para a maior proteção da população”.

Quarta dose

Com metade das mortes ocorrendo em pessoas com no mínimo 78 anos, que possuem maior vulnerabilidade às formas graves e fatais da doença, os pesquisadores da Fiocruz defendem a aplicação de uma 4ª dose, ou segunda dose de reforço neste grupo, seis meses após a terceira dose.

Porém, ao mesmo tempo em que casos graves são mais concentrados nos idosos, cresce o percentual de pessoas mais jovens, principalmente de crianças, no quantitativo total de número de casos, como aponta o boletim. “A maior vulnerabilidade das crianças, provocada principalmente pela baixa adesão deste grupo à vacinação, compromete igualmente o grupo que se encontra no extremo oposto da pirâmide etária”, alertam.

Internações

Os dados relativos às taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no SUS obtidos entre 7 e 8 de março confirmam a tendência de melhora no indicador verificada nas semanas anteriores.

As duas Unidades Federativas que se encontravam na zona crítica (taxas iguais ou superiores a 80%) no dia 21 de fevereiro saíram da zona de alerta (taxas inferiores a 60%), assim como os nove estados que estavam em zona de alerta intermediária e agora estão com índices abaixo de 60%.

O único estado brasileiro com ocupação de leitos ainda em alerta foi Santa Catarina, que apresentou um aumento de 19 pontos percentuais, passando de 60%, em 21 de fevereiro, para 79% em 8 de março.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusPandemiaSaúde no Brasil

Mais de Brasil

Detentos fazem rebelião e incendeiam presídio em Franco da Rocha, na Grande SP

Artefatos indígenas retidos na França retornam ao Brasil

Convenções começam neste sábado com oficialização de candidaturas de Boulos, Paes e Fuad

Convenção para oficializar chapa Boulos-Marta em SP terá Lula e 7 ministros do governo

Mais na Exame