Fãs de BTS arrecadam mais de R$ 37 mil em vaquinha para salvar o Pantanal

Os fãs bateram a meta de doações em apenas uma semana. Os recursos são para o Instituto Homem Pantaneiro, que atua na região desde 2002

Os fãs brasileiros da banda sul-coreana BTS arrecadaram mais de 37.000 reais em doações para ajudar nos incêndios no Pantanal. Uma vaquinha online criada pelos jovens no site de crowdfunding Benfeitoria está convidando fãs nas redes sociais a doarem a partir de 10 reais.

A campanha começou há uma semana, em 16 de setembro, mas as doações já ultrapassaram a meta inicial, de 30.000 reais.

Segundo o site da campanha, os recursos estão sendo encaminhados diretamente à conta bancária da ONG Instituto Homem Pantaneiro (IHP), que atua desde 2002 na região do Pantanal. Mais de 1.500 pessoas haviam doado até a manhã desta quinta-feira, 23.

O projeto foi batizado de Army Help The Pantanal (algo como Army Salve o Pantanal, em inglês). O nome Army é uma referência à forma como os grupos fãs de BTS se autodenominam. Embora essas doações específicas sejam para o Pantanal, o projeto principal é chamado de Army Help the Planet e também tem como foco ações de preservação da Amazônia.

Os incêndios no Pantanal, que começaram por volta de julho, já destruíram 20% do bioma, e parte das perdas podem ser irreversíveis. O fogo se intensificou neste mês de setembro, que já é o pior da história em queimadas no Pantanal desde que os registros oficiais começaram.

Nesta terça-feira, 22, os criadores do projeto agradeceram a mobilização dos fãs de BTS. “A quarta meta de doação foi atingida! Agradecemos a todos que têm nos apoiado neste projeto. Nada disso aconteceria sem o apoio de vocês”, diz a legenda da publicação.

O dinheiro será revertido para a Rede de Proteção e Conservação da Serra Amolar, que é liderada pelo Instituto Homem Pantaneiro. Os objetivos são reformar as instalações de base dos brigadistas que atuam no Pantanal, capacitar e contratar outros profissionais e comprar equipamentos de proteção.

Além dos brigadistas profissionais, os incêndios no Pantanal têm sido combatidos até mesmo por voluntários, incluindo pequenos empresários que atuam no turismo da região — que, mesmo após a pandemia, será profundamente afetado pela destruição gerada pelos incêndios.

Além do tempo seco na região, que vive uma das piores estiagens das últimas décadas, a Polícia Federal suspeita que os incêndios tenham começado de forma criminosa em fazendas da região e saíram do controle.

(Com Estadão Conteúdo)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.