"Estou na casa da Marisa", diz amigo de Lulinha sobre sítio

Para levar convidados a um churrasco no local, o irmão do "dono" oficial precisou da autorização de um dos filhos do ex-presidente Lula

São Paulo - Telefonemas grampeados pela Polícia Federal mostram que Luiz Inácio Lula da Silva e seu entorno agem como proprietários do sítio Santa Bárbara, em Atibaia.

O imóvel está em nome de dois amigos do petista, entre eles o empresário Fernando Bittar.

Mas, para levar convidados a um churrasco no local, Kalil Bittar, irmão do "dono" oficial, precisou de autorização de um dos filhos de Lula.

Numa das conversas, ele soltou: "Estou na casa daquela acumuladora chamada Marisa Letícia".

Os diálogos sobre o sítio - que Lula admite usar, mas nega ser seu - foram interceptados entre 20 e 27 de fevereiro. Num deles, cujo teor foi resumido pela PF, o próprio Lula avisa um de seus auxiliares que precisa das chaves, pois vai chegar tarde.

"Tais indícios sugerem que o sítio, de fato, seja da família de LILS (Luiz Inácio Lula da Silva), pois a chave do mesmo não fica com Fernando Bittar e Jonas Suassuna (outro proprietário), mas com LILS e seus filhos", registra relatório da PF.

Em outra conversa, Kalil questiona Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho mais velho do ex-presidente: "Vou ver se convenço o Fabiano a vir para cá. Tenho sua autorização para isso?" "Você tem autorização para tudo, meu amor", assentiu Fábio.

Os dois discutem detalhes, como os cortes de carne para passar o dia na piscina.

Ao chegar em Atibaia, Kalil liga novamente para Fábio Luís e diz que está com dificuldades para contatar o caseiro Maradona, que estava lavando os pedalinhos dos netos de Lula. O filho de Lula, então, avisa o funcionário: "O irmão do Fernando, o Kalil, tá indo praí".

Em relatório sobre as ligações, a PF diz causar "estranheza" um irmão do proprietário oficial do sítio pedir permissão para usar as dependências.

Durante a estadia, Kalil liga para a mulher de Fábio Luís e faz vários comentários sobre a casa da "acumuladora chamada Marisa Letícia".

Conta ter feito uma "limpa" na geladeira, repleta de comida vencida, a exemplo de um "hamburguesinho" fabricado "antes da eleição" da presidente Dilma Rousseff.

"Estou com a equipe de segurança, eu, Maradona, umas três galinhas que acho que não venceram. Acho que eu fiz uma merda: abri um vinho que tem número de série", confessou.

O "hóspede" diz ter espiado o quarto da família, descobrindo que a "arma" que o presidente tem "é uma lanterna".

"Se você olhar para cima do guarda-roupa, só tem roupão… Estou muito seguro com os equipamentos de segurança do presidente, uma lanterna", ironizou.

"Traz ovos, rúcula e vem aqui para São Bernardo", disse Renata.

O sítio está no centro das investigações da Operação Lava Jato. A suspeita é de que o ex-presidente oculte ser o verdadeiro dono na propriedade, reformada por empreiteiras acusadas de desviar recursos da Petrobrás.

O petista diz que frequenta o Santa Bárbara, mas sustenta não ser o dono.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também