Brasil
Acompanhe:

"Espero que o Congresso tenha sensibilidade", diz Mercadante, sobre valor da PEC

O texto aprovado nesta terça-feira, 6, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), amplia em R$ 145 bilhões o teto

Aloízo Mercadante: Estamos mostrando o que o Brasil está vivendo, espero que o Congresso Nacional tenha sensibilidade (Wilson Dias/Agência Brasil)

Aloízo Mercadante: Estamos mostrando o que o Brasil está vivendo, espero que o Congresso Nacional tenha sensibilidade (Wilson Dias/Agência Brasil)

E
Estadão Conteúdo

6 de dezembro de 2022, 19h47

O coordenador dos grupos técnicos da equipe de transição, Aloizio Mercadante, afirmou que cabe ao Senado as tratativas em relação à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que amplia o teto de gastos por dois anos para o pagamento do Bolsa Família.

O texto aprovado nesta terça-feira, 6, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) amplia em R$ 145 bilhões o teto. Questionado sobre a possibilidade de os parlamentares tentarem reduzir o valor, Mercadante disse que espera que o Congresso tenha "sensibilidade"

"Isso cabe ao Senado. Estamos mostrando o que o Brasil está vivendo, espero que o Congresso Nacional tenha sensibilidade. De onde você cortaria recursos? do livro didático? Da bolsa de estudos dos alunos da residência médica? Dos alunos Das bolsas? Você cortaria o recurso da manutenção das universidades que estão paradas? Ou vamos cortar ainda mais merenda escolar?", disse em entrevista coletiva.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Mercadante apontou que o valor está próximo ao que a gestão atual teve de extra teto em 2022. Ainda, que será necessário ter um novo arcabouço fiscal, mas que há responsabilidade em ter recursos para outras áreas, como saúde, educação e para o combate à fome.

"Evidente que tem que ter novo arcabouço fiscal, que dê uma projeção de estabilização da relação dívida-PIB, que é um indicador fundamental, que ajuda a baixar juros futuros, melhora crédito, recupera economia. Temos que ter responsabilidade fiscal, mas há uma responsabilidade educacional, na saúde pública, na alimentação, no combate à fome, que é inadiável e inegociável para um governo que tem a cara do presidente Lula e a história dele. Vamos lutar por recursos nessas áreas", afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Mercadante defende recriação de pastas do Planejamento e da Indústria

Orçamento prevê menos de 1% do necessário para prevenção de desastres em 2023, diz Randolfe