Embaixada brasileira em Londres é alvo de protestos sobre a Amazônia

"Parem com a destruição agora", "Salvem a Amazônia" e "Fora, Bolsonaro" foram alguns dos gritos presentes no protesto com centenas de pessoas em Londres

Aos gritos de "Salvem a Amazônia" e "Fora, Bolsonaro", cerca de 300 pessoas se manifestaram nesta sexta-feira (23) diante da embaixada do Brasil em Londres, iniciando uma série de protestos convocados em vários países a favor dos "pulmões em chamas" do planeta.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson está "extremamente preocupado" com a situação na Amazônia, informou uma porta-voz do governo, sem maiores precisões, na véspera da cúpula do G7 em Biarritz (França), onde os líderes francês Emmanuel Macron, alemã Angela Merkel e canadense Justin Trudeau esperam discutir os incêndios no Brasil.

"Parem com a destruição agora" e "Salvem nosso planeta" eram outras faixas exibidas pelos manifestantes, principalmente jovens, muitos acompanhados de seus filhos e de seus pets, em Londres.

"Vimos as imagens horríveis (da floresta em chamas) e queremos fazer algo em solidariedade para com o povo do Brasil. Também temos filhos e gostaríamos que crescessem num mundo que tem seus pulmões", declarou à AFP Luisa Brown, professora de inglês de 36 anos.

Centenas de pessoas protestam em frente a embaixada brasileira em Londres contra os incêndios na Amazônia

"Estou muito preocupada com a mudança climática, mas especialmente pelo impacto do agronegócio", afirmou Lucy Brown, de 41 anos, enquanto seus dois filhos, de 2 e 4 anos, corriam ao seu redor.

As duas são membros da Extinction Rebellion, o movimento de desobediência civil criado no final de 2018 para lutar contra a falta de ação diante da mudança climática.

"É verdade que preferem hambúrguer a oxigênio?", questiona o cartaz exibido por outro manifestante.

"É o Donald Trump brasileiro, tudo que interessa a ele é o lucro, o dinheiro", protesta Graham Cox, de 57.

Ele conta que se uniu ao Extinction Rebellion, porque, em 35 anos de ativismo ambiental, assinou todas as petições "e não viu nada mudar".

Centenas de pessoas protestam em frente a embaixada brasileira em Londres contra os incêndios na Amazônia

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), houve quase 2.500 novos incêndios em 48 horas no Brasi. O desmatamento, que avança rapidamente, é a principal causa dos incêndios.

Segundo o INPE, foram registrados 75.336 incêndios florestais no país de janeiro a 21 de agosto - 83% a mais do que no mesmo período do ano passado - e mais de 52% dos incêndios florestais foram na Amazônia.

Manifestações em defesa da Amazônia estão programadas nesta sexta-feira em São Paulo e no Rio de Janeiro, bem como em frente a outras embaixadas e consulados do Brasil convocadas pelo Extinction Rebellion e pelo "Fridays for Future", o movimento da jovem sueca Greta Thunberg, especialmente em Berlim, Madri, Barcelona e Turim (norte da Itália).

Em Dublin, cem pessoas ocuparam a entrada de um edifício que abriga a embaixada brasileira, enquanto a Irlanda ameaçou na sexta-feira votar contra o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não proteger a floresta amazônica.

Manifestantes protestam em frente a embaixada brasileira em Londres contra os incêndios na Amazônia

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.