Doria: China espera não atrasar entrega de insumo para Coronavac

Doria disse que o embaixador da China se comprometeu a confirmar a informação com as autoridades, mas está otimista com a manutenção dos envios

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta quarta-feira que, em conversa telefônica na véspera, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, lhe disse que não há perspectiva de atraso nos embarques do insumo farmacêutico ativo (IFA) da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac que está sendo envasada no Brasil pelo Instituto Butantan.

Em entrevista coletiva na sede do instituto vinculado ao governo paulista, onde acompanhou a entrega de uma nova remessa de 1 milhão de doses da CoronaVac ao Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Doria disse que o diplomata se comprometeu a confirmar a informação com as autoridades do governo da China em Pequim, mas que se mostrou otimista com a manutenção dos envios.

"O embaixador disse que falaria ontem mesmo com a chancelaria em Pequim e que ele não via nenhuma perspectiva de haver retardo no embarque dos insumos para a vacina do Butantan", disse Doria.

"Ele antecipou --embora com a responsabilidade de checar com a chancelaria em Pequim-- que não havia nenhuma razão para o retardamento ou dificuldades para embarque do IFA para a vacina do Butantan. Mas entre hoje e amanhã, portanto entre quarta e quinta-feira, ele daria uma posição definitiva após ouvir a chancelaria, as autoridades de seu governo em Pequim", afirmou.

Na semana passada, o Butantan manifestou preocupação com a previsão de entregas de doses da CoronaVac ao PNI em abril, citando uma decisão do governo da China de acelerar a vacinação dentro do país, o que poderia impactar no envio do IFA ao Brasil. O instituto, ao mesmo tempo, afirmou que está assegurado o cumprimento da primeira parte do contrato que prevê a entrega de um total de 46 milhões de doses até o final deste mês.

Na coletiva desta quarta, Doria reiterou o cumprimento desta primeira etapa do acordo, assim como da segunda, que prevê a entrega de mais 54 milhões de doses, totalizando 100 milhões até setembro, mas que o instituto promete antecipar para o fim de agosto.

Com a entrega da remessa de 1 milhão de doses da CoronaVac ao PNI nesta quarta, o Butantan chegou a 38,2 milhões de doses entregues à campanha nacional de vacinação contra a Covid-19.

A CoronaVac, que começou a ser aplicada no Brasil em 17 de janeiro após autorização para uso emergencial dada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), responde pela esmagadora maioria das vacinas contra Covid-19 aplicadas até agora no Brasil. Além do imunizante chinês, o PNI conta com a vacina da AstraZeneca com a Universidade de Oxford, mas ainda em quantidades bem inferiores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.