Dilma defende reforma urgente da ONU por guerras

"Os conflitos regionais mais intensos, com trágicas perdas de vidas humanas e enormes prejuízos materiais demonstra a imperiosa urgência de reforma", disse a presidente

São Paulo – A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta terça-feira, no discurso de abertura da 67ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York, a urgente reforma da instituição.

“A crise iniciada em 2008 mostrou que é necessário reformar os mecanismos de governança econômica. As guerras e os conflitos regionais mais intensos, com trágicas perdas de vidas humanas e enormes prejuízos materiais demonstra a imperiosa urgência de reforma institucional da ONU e de seu Conselho de Segurança”, disse a presidente, arrancando aplausos da plateia.

Ainda na defesa da reforma do Conselho da ONU, Dilma alertou para o fato de ele estar sendo substituído por coalizões que se formam à sua revelia, fora de seu controle e às margens do direito internacional. “É clara a ilegalidade e essa não é uma opção aceitável”, ressaltou, frisando: “O Brasil lutará para que prevaleçam as decisões legítimas da ONU.”

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.