Brasil

Ao vivo: CPI ouve empresário considerado braço-direito de Pazuello

Mesmo sem ter cargo público, Airton Cascavel participou de agendas oficiais e reuniões com o ex-ministro

Airton Cascavel foi político em Roraima. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Airton Cascavel foi político em Roraima. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 5 de agosto de 2021 às 06h00.

Última atualização em 5 de agosto de 2021 às 10h31.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Os senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 ouvem nesta momento o empresário Airton Antonio Soligo. De acordo com investigações preliminares, ele teria atuado informalmente durante meses no Ministério da Saúde, sem ter qualquer vínculo com o setor público.

Assista ao vivo

yt thumbnail

Expectativa para o depoimento

Conhecido como Airton Cascavel, ele era considerado como o braço-direito do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. Mesmo sem ter cargo público, o empresário participou de agendas oficiais e reuniões com o ex-ministro. Quando descobriram a informalidade, Pazuello o nomeou assessor especial, cargo ocupado de junho de 2020 a março de 2021.

Segundo o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento que pediu o depoimento de Cascavel, diversos gestores estaduais e municipais de Saúde o consideravam como o "ministro de fato" da pasta, e quem resolvia muitas das questões burocráticas e logísticas do Ministério.

Natural de Capanema, no Paraná, Airton Cascavel se estabeleceu em Roraima desde 1985. Foi deputado federal pelo estado entre os anos de 1999 e 2002. Em 2003 assumiu o cargo de deputado estadual, cadeira que tinha ocupado em 1990, na primeira eleição logo após a criação do estado de Roraima. Em 1994 já tinha ocupado o cargo de vice-governador, na chapa liderada por Neudo Campos.

Cascavel assumiu a Secretaria de Saúde de Roraima em maio deste ano, sendo exonerado em julho, após ter o diagnóstico positivo para a covid-19.

Na quarta-feira, 4, quem prestou depoimento à CPI foi o tenente-coronel da reserva Marcelo Blanco, ex-assessor do Ministério da Saúde. Ele admitiu que negociou a compra de vacinas da AstraZeneca com o policial militar Luiz Dominguetti, em fevereiro, um mês depois de deixar o cargo no governo federal, mas afirmou que a venda seria apenas para o setor privado.

Em depoimento à CPI em julho, o caboDominguetti, representante da intermediária Davati Medical Supply, afirmou que recebeu pedido de propina de um dólar por dose do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias - chefe de Blanco -, em troca de assinar contrato de venda de vacinas da AstraZeneca com o Ministério. O laboratório diz que não tem intermediários e negocia vacinas diretamente com governos.

(Com Agência Senado)

Acompanhe tudo sobre:CPI da CovidExame HojeMinistério da SaúdeSenadovacina contra coronavírus

Mais de Brasil

Quero ser responsável pela vitória dele, diz Lula no lançamento da candidatura de Boulos em SP

Com esquerda em peso e até bolsonarista, PSD oficializa candidatura de Paes sem definir vice

Vamos colocar a periferia em primeiro lugar, diz Boulos ao oficializar candidatura ao lado de Lula

Fuad e Kassab apostam em discurso moderado e feitos da gestão para reeleição em prefeitura BH

Mais na Exame