Conselho de educação em SP terá ex-diretora do Banco Mundial

Além de Claudia Costin, equipe do prefeito João Doria convidou outros nomes de peso na área da educação para aconselhar os projetos criados pela pasta
 (Instituto Ayrton Senna/Divulgação)
(Instituto Ayrton Senna/Divulgação)
Por Bárbara Ferreira SantosPublicado em 27/01/2017 07:00 | Última atualização em 27/01/2017 15:46Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo – A secretaria de Educação de São Paulo escolheu especialistas de grande nome na área da educação para compor o conselho da pasta e ajudar a orientar os projetos educacionais durante a gestão do prefeito João Doria Jr (PSDB).

Em entrevista a EXAME.com, o secretário Alexandre Schneider afirmou que o grupo terá papel semelhante aos conselhos administrativos de empresas, órgãos colegiados que analisam os resultados obtidos e auxiliam a traçar os planos estratégicos dos negócios.

Na conversa com EXAME.com, Schneider confirmou alguns dos membros que farão parte do conselho. Entre eles estão Claudia Costin, ex-diretora global de educação do Banco Mundial e ex-ministra de Administração e Reforma do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB); a socióloga e educadora Neca Setúbal; o presidente do conselho de administração do Instituto Natura, Pedro Villares; e Gustavo Ioschpe, economista especializado em educação.

“É um grupo heterogêneo de pessoas que está unido por seu desejo em ajudar a melhorar a educação pública no Brasil e em especial em São Paulo. Para nós vai ser muito bom porque é um diálogo que permite ter ideias novas, testar as ideias já existentes e objetivos”, afirmou Schneider.

O grupo será presidido por Mozart Neves Ramos, ex-secretário de educação de Pernambuco e diretor do Instituto Ayrton Senna. Ramos, inclusive, foi cotado por Doria como um dos possíveis nomes para comandar a secretaria de educação, mas recusou o convite. Schneider foi convidado para o cargo depois de ter sido secretário municipal de educação de São Paulo na gestão de Gilberto Kassab (PSD) entre 2006 e 2012.

Schneider explicou que, durante sua gestão, os conselheiros vão se reunir uma vez por mês em encontros de duas a três horas. Entre os primeiros desafios que eles devem enfrentar, está avaliar as ações planejadas para atender às metas estabelecidas por Doria em campanha, como zerar a fila para creches na capital até o fim do ano.

Além disso, a secretaria deve apresentar aos especialistas o plano de metas para a educação, que tem que ser apresentado na Câmara junto com o plano de metas de toda a cidade até o fim de março. “Eles vão nos ajudar no dia a dia da secretaria com as suas ideias, com a sua expertise, nos ajudando também a manter um foco. Será muito bom, todas as empresas têm um conselho e esse será o papel deles”, disse Schneider.