Brasil

Com UTIs quase em colapso, Paraná vai determinar toque de recolher

O protocolo deve ser publicado em diário oficial até a quarta-feira, 2. O documento vai especificar o horário, que deve ser entre às 23 horas e às 5 horas

Centro Histórico de Curitiba: capital voltou a  fechar bares após registrar aglomerações. (Pedro Ribas/SMCS/Divulgação)

Centro Histórico de Curitiba: capital voltou a fechar bares após registrar aglomerações. (Pedro Ribas/SMCS/Divulgação)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 1 de dezembro de 2020 às 15h03.

Última atualização em 1 de dezembro de 2020 às 15h20.

O governo do Paraná vai determinar toque de recolher em todo o estado para conter o avanço da covid-19. O protocolo deve ser publicado em diário oficial até a quarta-feira, 2. O documento vai especificar o horário, que deve ser entre às 23 horas e às 5 horas, segundo informações apuradas por EXAME

Os detalhes estão sendo alinhados entre representantes do governo do estado e dos municípios, principalmente da Região Metropolitana de Curitiba, que estão em situação mais crítica. Em nota oficial enviada à EXAME, o governo disse que serão produzidos dois novos instrumentos jurídicos para ajudar a conter a doença.

“Um deles refere-se à restrição de horário para circulação de pessoas no período noturno – ‘toque de recolher’. A outra recomendará a retomada das atividades de trabalho remoto de servidores estaduais, semelhante à resolução anteriormente publicada pela Secretaria da Saúde”, diz a nota.

O Paraná tem 277.424 casos e 6.099 mortes em decorrência da doença. A situação mais crítica é da capital, Curitiba, onde estão 78.760 infectados e 1.745 mortes. Na cidade há 13.829 casos ativos, ou seja, com risco de transmissão. Há um mês este valor não passava de 3 mil. 

Na sexta-feira, 27, a prefeitura de Curitiba publicou um decreto, restringindo algumas atividades com o objetivo de conter o avanço da covid-19 na cidade, que piorou nas duas últimas semanas. Ficaram proibidos de funcionar bares, casas noturnas e qualquer tipo de evento que gere aglomeração. Estes estabelecimentos estavam abertos desde o fim de setembro.

Os hospitais da cidade beiram ao colapso de atendimento. Nesta segunda-feira, 30, a taxa de ocupação dos 344 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 estava em 94%, com apenas 20 leitos livres. É a mais alta taxa em meses.

A ocupação continua alta mesmo após a prefeitura ativar mais 50 leitos de UTI em hospitais da cidade desde a última semana semana. O governo do Paraná suspendeu todas as cirurgias eletivas para abrir mais espaço para atendimento de pacientes com covid-19.

Muitos hospitais privados ultrapassaram a capacidade de atendimento nesta semana e recusam novos pacientes.

O Conselho Regional de Medicina do Paraná emitiu um alerta máximo nesta terça-feira para o colapso no sistema de atendimento hospitalar. “As próximas semanas serão críticas e a prevenção é o melhor caminho”, diz a nota.

Bolsonaro visitou o Paraná nesta terça-feira

No mesmo dia em que o governo do estado anunciou a medida extrema para conter a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro esteve em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai. Bolsonaro se encontrou com o presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, e com o governador do Paraná, Ratinho Junior.

O encontro foi no canteiro de obras da segunda ponte sobre o rio Paraná, que vai ligar os dois países. A obra está com 45% de execução e tem previsão de ficar pronta no ano que vem. Faz parte de um grande sistema viário, de 15 quilômetros, para desaforgar o trânsito na Ponte da Amizade.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusCuritibaPandemiaParaná

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame