• AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 67,36 0.00
  • ABCB4 R$ 16,52 -0.78
  • ABEV3 R$ 14,04 -0.64
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,84 2.07
  • AGRO3 R$ 31,18 0.23
  • ALPA4 R$ 21,29 2.21
  • ALSO3 R$ 19,00 -0.05
  • ALUP11 R$ 27,07 -0.88
  • AMAR3 R$ 2,54 5.83
  • AMBP3 R$ 31,09 2.61
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,28 2.37
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,46 -0.43
  • ASAI3 R$ 15,72 -1.13
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,91 -0.92
  • BBAS3 R$ 37,57 -0.61
  • AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 67,36 0.00
  • ABCB4 R$ 16,52 -0.78
  • ABEV3 R$ 14,04 -0.64
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,84 2.07
  • AGRO3 R$ 31,18 0.23
  • ALPA4 R$ 21,29 2.21
  • ALSO3 R$ 19,00 -0.05
  • ALUP11 R$ 27,07 -0.88
  • AMAR3 R$ 2,54 5.83
  • AMBP3 R$ 31,09 2.61
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,28 2.37
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,46 -0.43
  • ASAI3 R$ 15,72 -1.13
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,91 -0.92
  • BBAS3 R$ 37,57 -0.61
Abra sua conta no BTG

Com UTIs quase em colapso, Paraná vai determinar toque de recolher

O protocolo deve ser publicado em diário oficial até a quarta-feira, 2. O documento vai especificar o horário, que deve ser entre às 23 horas e às 5 horas
 (Divulgação/Pedro Ribas/SMCS)
(Divulgação/Pedro Ribas/SMCS)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 01/12/2020 15:03 | Última atualização em 01/12/2020 15:20Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O governo do Paraná vai determinar toque de recolher em todo o estado para conter o avanço da covid-19. O protocolo deve ser publicado em diário oficial até a quarta-feira, 2. O documento vai especificar o horário, que deve ser entre às 23 horas e às 5 horas, segundo informações apuradas por EXAME

Os detalhes estão sendo alinhados entre representantes do governo do estado e dos municípios, principalmente da Região Metropolitana de Curitiba, que estão em situação mais crítica. Em nota oficial enviada à EXAME, o governo disse que serão produzidos dois novos instrumentos jurídicos para ajudar a conter a doença.

“Um deles refere-se à restrição de horário para circulação de pessoas no período noturno – ‘toque de recolher’. A outra recomendará a retomada das atividades de trabalho remoto de servidores estaduais, semelhante à resolução anteriormente publicada pela Secretaria da Saúde”, diz a nota.

O Paraná tem 277.424 casos e 6.099 mortes em decorrência da doença. A situação mais crítica é da capital, Curitiba, onde estão 78.760 infectados e 1.745 mortes. Na cidade há 13.829 casos ativos, ou seja, com risco de transmissão. Há um mês este valor não passava de 3 mil. 

Na sexta-feira, 27, a prefeitura de Curitiba publicou um decreto, restringindo algumas atividades com o objetivo de conter o avanço da covid-19 na cidade, que piorou nas duas últimas semanas. Ficaram proibidos de funcionar bares, casas noturnas e qualquer tipo de evento que gere aglomeração. Estes estabelecimentos estavam abertos desde o fim de setembro.

Os hospitais da cidade beiram ao colapso de atendimento. Nesta segunda-feira, 30, a taxa de ocupação dos 344 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 estava em 94%, com apenas 20 leitos livres. É a mais alta taxa em meses.

A ocupação continua alta mesmo após a prefeitura ativar mais 50 leitos de UTI em hospitais da cidade desde a última semana semana. O governo do Paraná suspendeu todas as cirurgias eletivas para abrir mais espaço para atendimento de pacientes com covid-19.

Muitos hospitais privados ultrapassaram a capacidade de atendimento nesta semana e recusam novos pacientes.

O Conselho Regional de Medicina do Paraná emitiu um alerta máximo nesta terça-feira para o colapso no sistema de atendimento hospitalar. “As próximas semanas serão críticas e a prevenção é o melhor caminho”, diz a nota.

Bolsonaro visitou o Paraná nesta terça-feira

No mesmo dia em que o governo do estado anunciou a medida extrema para conter a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro esteve em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai. Bolsonaro se encontrou com o presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, e com o governador do Paraná, Ratinho Junior.

O encontro foi no canteiro de obras da segunda ponte sobre o rio Paraná, que vai ligar os dois países. A obra está com 45% de execução e tem previsão de ficar pronta no ano que vem. Faz parte de um grande sistema viário, de 15 quilômetros, para desaforgar o trânsito na Ponte da Amizade.