Ciclovia da Marginal e mais 4 parques reabrem. E o Minhocão e a Paulista?

Os dois pontos de lazer centrais da capital paulista estão fechados desde o início da pandemia, em março
 (diegograndi/Getty Images)
(diegograndi/Getty Images)
Por Gilson Garrett Jr.Publicado em 03/08/2020 08:00 | Última atualização em 03/08/2020 15:45Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A partir desta segunda-feira, 3, a ciclovia da Marginal Pinheiros e mais quatro parques estaduais que ficam na grande São Paulo reabrem para a população. Os locais estavam fechados desde o início da pandemia de covid-19, em março.

Os 22 quilômetros da ciclovia na Marginal foram revitalizados, com a asfalto novo, retiradas das lombadas, pintura dos bicicletários e a instalação de chuveiros, na Estação Vila Olímpia. Dentre as novidades, há também a circulação de seguranças por toda a ciclovia.

A previsão da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que concedeu a via ao Santander e à Sabesp, é que seja instalada iluminação nos próximos meses para permitir a abertura do local à noite, coincidindo com a operação dos trens.

Quem quiser se exercitar, pode ir também a dois parques da capital, um em Carapicuíba e um em Embu Guaçu, ambos na região metropolitana. Eles se somam aos quase 90 parques e bosques que já foram reabertos tanto pelo governo do estado quando pela prefeitura de São Paulo, no dia 13 de julho.

Como regra, o uso de máscara é obrigatório para frequentar os parques Guarapiranga e Belém, na capital; o parque Gabriel Chucre, em Carapicuíba; e o Ecológico da Várzea, em Embu Guaçu. Todos funcionam de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h.

Na última semana, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi questionado, nas coletivas diárias de atualização da pandemia, sobre a situação da abertura do Minhocão aos finais de semana e da Avenida Paulista, fechada para carros aos domingos.

De acordo com Covas, as duas opções de lazer vão permanecer fechadas até a situação de contágio do coronavírus diminuir mais na cidade. Segundo ele, o grande problema é o controle de acesso aos locais, medida que atualmente é feita nos parques que estão com a capacidade restringida a 40%.