• AALR3 R$ 20,08 -0.30
  • AAPL34 R$ 67,15 -2.41
  • ABCB4 R$ 16,72 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,04 -0.28
  • AERI3 R$ 3,64 -5.94
  • AESB3 R$ 10,66 -2.83
  • AGRO3 R$ 30,90 0.00
  • ALPA4 R$ 20,35 -1.97
  • ALSO3 R$ 18,86 -3.13
  • ALUP11 R$ 27,14 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,35 -4.86
  • AMBP3 R$ 30,72 -1.44
  • AMER3 R$ 23,23 -3.49
  • AMZO34 R$ 63,87 -2.49
  • ANIM3 R$ 5,27 -5.05
  • ARZZ3 R$ 78,30 -1.52
  • ASAI3 R$ 15,66 -1.32
  • AZUL4 R$ 20,84 -5.10
  • B3SA3 R$ 11,92 -1.49
  • BBAS3 R$ 37,55 -1.09
  • AALR3 R$ 20,08 -0.30
  • AAPL34 R$ 67,15 -2.41
  • ABCB4 R$ 16,72 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,04 -0.28
  • AERI3 R$ 3,64 -5.94
  • AESB3 R$ 10,66 -2.83
  • AGRO3 R$ 30,90 0.00
  • ALPA4 R$ 20,35 -1.97
  • ALSO3 R$ 18,86 -3.13
  • ALUP11 R$ 27,14 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,35 -4.86
  • AMBP3 R$ 30,72 -1.44
  • AMER3 R$ 23,23 -3.49
  • AMZO34 R$ 63,87 -2.49
  • ANIM3 R$ 5,27 -5.05
  • ARZZ3 R$ 78,30 -1.52
  • ASAI3 R$ 15,66 -1.32
  • AZUL4 R$ 20,84 -5.10
  • B3SA3 R$ 11,92 -1.49
  • BBAS3 R$ 37,55 -1.09
Abra sua conta no BTG

Câmara aprova alterações da PEC dos Precatórios em 2º turno

Os deputados ainda vão analisar destaques que mexem no conteúdo do texto aprovado pelo Senado, mas a cúpula da Casa age para evitar novas mudanças
Precatórios: a proposta estabelece um caráter permanente para o programa de transferência de renda, mas sem um valor específico e ainda condicionado à disponibilidade no Orçamento (Reuters/Adriano Machado)
Precatórios: a proposta estabelece um caráter permanente para o programa de transferência de renda, mas sem um valor específico e ainda condicionado à disponibilidade no Orçamento (Reuters/Adriano Machado)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 15/12/2021 17:55 | Última atualização em 15/12/2021 18:20Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Câmara aprovou as alterações da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios em segundo turno por 332 votos favoráveis, 142 contrários e uma abstenção. Os deputados ainda vão analisar destaques que mexem no conteúdo do texto aprovado pelo Senado, mas a cúpula da Casa age para evitar novas mudanças.

A única alteração aprovada, ainda no primeiro turno, reverteu uma proposta aprovada pelo Senado que garantia um repasse bilionário para quatro estados antes das eleições do ano que vem. O dispositivo obrigava o governo federal a pagar a maior parte da parcela de precatórios do antigo Fundef até agosto, mas foi retirado na Câmara, onde os governadores beneficiados enfrentam maior oposição.

A PEC deve ser promulgada ainda nesta semana, quatro meses após ser apresentada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, e abrir um espaço fiscal de 106,1 bilhões de reais no teto de gastos em 2022. Com isso, o Congresso poderá adequar o Orçamento e garantir o Auxílio Brasil de 400 reais, programa lançado para substituir o Bolsa Família. A proposta também abre caminho para outros gastos, inclusive turbinando as emendas parlamentares, verbas de forte interesse em ano eleitoral.

Duas medidas são decisivas para a abertura da folga fiscal: a mudança no cálculo do teto de gastos públicos, que abre um espaço de 62,2 bilhões de reais, promulgada na semana passada, e o limite no pagamento dos precatórios, dívidas reconhecidas pela Justiça, uma folga de 43,8 bilhões de reais no ano que vem, aprovado definitivamente pela Câmara nesta quarta-feira, 15, após alterações no Senado.

A PEC aprovada destina os recursos para o Auxílio Brasil, despesas com saúde e benefícios previdenciários, mas há brecha para remanejamento de gastos e atendimento a outras verbas, entre elas as emendas do orçamento secreto. Parlamentares críticos à PEC, no entanto, dizem que esse "carimbo" forçará o governo a se comprometer com gastos essenciais. O Orçamento deve ser votado pelo Congresso na próxima semana, no apagar das luzes do ano legislativo.

A proposta estabelece um caráter permanente para o programa de transferência de renda, mas sem um valor específico e ainda condicionado à disponibilidade no Orçamento. Mesmo com a mudança na regra, o teto de gastos públicos ainda continua em vigor e limita o crescimento das despesas. O governo, no entanto, poderá aumentar o orçamento atual do Auxílio Brasil sem uma fonte de financiamento, driblando a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Nesse caso, a compensação só será exigida se houver um novo aumento a partir de 2023.

A medida patrocinada pelo governo e pela cúpula do Congresso foi batizada de "PEC do calote" por especialistas e partidos críticos à proposta. A PEC limita o pagamento de precatórios, são dívidas reconhecidas pela Justiça que a União precisa pagar, a partir do próximo ano. Essa limitação ficará em vigor até 2026. Anteriormente, o governo e a Câmara queriam estender o limite até 2036, mas os senadores resistiram a dar aval ao subteto durante todo esse período. Os deputados se articularam para excluir a data, deixando o subteto sem prazo definido, mas voltaram atrás em razão do risco de a PEC voltar ao Senado.

Diminuir a vigência da limitação ao pagamento das dívidas e carimbar as despesas foram as principais mudanças feitas após impasse entre as duas casas legislativas.