Brasil tem 1,6 mi de casos e 64,9 mil óbitos por covid-19, diz consórcio

Só o estado de São Paulo alcançou a marca de 320 mil infectados e mais de 16 mil óbitos; reabertura acelera disseminação da doença

O Brasil tem 64.900 mortes e 1.604.585 casos confirmados da covid-19, segundo levantamento do consórcio de imprensa junto às secretarias estaduais de saúde divulgado neste domingo, 5 de julho.

O balanço, atualizado às 20 horas, mostra que em 24 horas foram registrados 535 mortes e 26.652 testes reagentes para o SARS-CoV-2.

O consórcio de veículos reúne UOL, Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra.

Só o estado de São Paulo alcançou neste domingo, 5, a marca de 320 mil infectados. De acordo dados divulgados pela Secretaria de Saúde, o Estado tem até o momento um total de 320.179 casos confirmados e 16.078 óbitos.

No último dia, foram registrados 7.649 novos casos e 82 mortes pela covid-19.

Dentre os infectados, 14.904 estão internados, sendo 8.488 em enfermaria e 6.416 em unidades de terapia intensiva. As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 63,2% na Grande São Paulo e 63,6% no estado.

A partir desta segunda-feira, 6, o prefeito Bruno Covas (PSDB) autorizou a reabertura, com restrições, de bares, restaurantes e salões de beleza na capital.

Já o Rio de Janeiro, após três meses fechados, bares e restaurantes voltaram a funcionar na semana passada. A liberação, entretanto causou grande aglomeração na zona sul carioca, com clientes acumulados em calçadas, sem respeitar o distanciamento social, e abdicando do uso de máscaras. 

Alta de casos após reabertura

O número de casos de covid-19 subiu em ao menos 12 das 18 capitais brasileiras que deram início ao processo de retomada das atividades econômicas.

Com o avanço da pandemia e consequentemente o aumento da pressão sobre o sistema de saúde, algumas cidades já decidiram, nos últimos dias, recuar da flexibilização e adotar medidas mais restritivas contra o coronavírus.

Para fazer a análise, o Estadão levantou quantos casos foram registrados diariamente pelas capitais desde o início da pandemia, em março, com base em informações reunidas pela plataforma colaborativa Brasil.io.

A reportagem comparou a média do fim de junho com a do momento em que a reabertura foi implementada em cada cidade, independentemente do grau de liberação, que varia de um local para outro.

O levantamento aponta que, após o retorno de atividades não essenciais, houve aumento da média de infectados por dia em São Paulo, Belo Horizonte e Vitória, no Sudeste.

No Sul, as três capitais também estão com mais casos: Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. Outras cidades que sofreram alta foram Brasília, Campo Grande e Cuiabá, no Centro-Oeste, além de Salvador e João Pessoa, no Nordeste, e de Palmas, na Região Norte.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.