Brasil

Brasil receberá 2,4 milhões de doses da vacina da Pfizer nesta semana

A chegada dos novos lotes acontecerá em três dias, sendo 526.500 mil doses nesta terça-feira, e 936 mil doses nos dias 9 e 10

 (Dado Ruvic/Reuters)

(Dado Ruvic/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de junho de 2021 às 21h24.

Última atualização em 9 de junho de 2021 às 10h52.

O Brasil receberá três novos lotes da vacina contra covid-19 da Pfizer nesta semana, totalizando 2,4 milhões de doses no período. A chegada dos novos lotes acontecerá em três dias, sendo 526.500 mil doses nesta terça-feira, e 936 mil doses nos dias 9 e 10. Todas as entregas do imunizante serão recebidas no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

As entregas fazem parte do acordo firmado no dia 19 de março entre a farmacêutica e o governo brasileiro, que contempla a disponibilização de 100 milhões de vacinas ao país até o final do terceiro trimestre de 2021. Somadas aos lotes anteriores, mais de 8,2 milhões de doses terão sido entregues até o final dessa semana.

  • 29 de abril: 1 milhão doses
  • 5 de maio: 628.290 doses
  • 12 de maio: 628.290 doses
  • 19 de maio: 629.460 doses
  • 26 de maio: 629.460 doses
  • 1 de junho: 936 mil doses
  • 2 de junho: 936 mil doses
  • 3 de junho: 527,670 doses
  • 8 de junho: 526.500 doses
  • 9 de junho: 936 mil doses
  • 10 de junho: 936 mil doses

Nesta terça-feira, o jornal Valor Econômico afirmou em publicação que a Pfizer apresentou uma nova oferta de vacinas contra a covid-19 ao governo brasileiro visando a vacinação em 2022. Segundo as informações publicadas, a farmacêutica americana já entrou em contato com o Ministério da Saúde para saber se há interesse no fornecimento das doses para o ano que vem.

Segundo o jornal, deve ocorrer na próxima semana uma reunião para a discussão de detalhes como volume de doses e cronograma de entregas. Procurada pela EXAME, a Pfizer afirmou que não comenta negociações com o governo.

A ação visa a possível necessidade de doses de reforço de imunizantes contra a covid-19. Segundo o calendário apresentado pelo Ministério, o Brasil terá doses de vacinas contra a doença contratadas para este ano suficientes para contemplar toda a população. A atualização mais recente do governo menciona cerca de 660 milhões de doses.

Nesta terça-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou durante a CPI da Covid no Senado que o governo federal está na "iminência" de fechar um contrato com a fabricante Moderna de compra de mais 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19.

Questionado sobre o planejamento da vacinação em 2022 pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Queiroga afirmou que ainda não há estratégia definida, mas citou lotes de vacinas que devem chegar nos últimos meses deste ano.

Além dos lotes contratados, há previsão de que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantan tenham capacidade de produção de doses da vacina.

Após a assinatura do contrato de transferência de tecnologia do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford e a Astrazeneca, a Fiocruz terá capacidade de produção de IFA para cerca de 15 milhões de doses por mês. A previsão é que a entrega inicie em outubro.

Já o Instituto Butantan poderá fornecer a Butanvac, imunizante nacional ainda em fase de desenvolvimento, se aprovada pela Anvisa.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusPfizerSaúde no Brasilvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Governo de SP entrega 107 obras de infraestrutura turística no 1º semestre e bate recorde

Brasil precisa superar déficit de cidadania, afirma presidente da Politize!

Aos 78 anos, morre o ex-governador do Acre Romildo Magalhães

Morre o jornalista Sérgio Cabral, pai, aos 87 anos

Mais na Exame