• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

Brasil atinge marca de 300 mil mortes por covid-19

Dados do consórcio de veículos de imprensa mostram que país atinge marca um dia depois de recorde de mortes em 24 horas
Marca é atingida no pior mês da pandemia para o Brasil (Reuters/Amanda Perobelli)
Marca é atingida no pior mês da pandemia para o Brasil (Reuters/Amanda Perobelli)
Por Da RedaçãoPublicado em 24/03/2021 17:35 | Última atualização em 24/03/2021 18:01Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Pouco mais de um ano depois da primeira morte por covid-19 no país, o Brasil atinge a marca de 300.000 mortes causadas pela doença. O número é registrado no mesmo mês em que há altas sucessivas no volume de mortes registradas em 24 horas — sendo o recorde mais expressivo o desta terça-feira, 23, em que mais de 3.000 óbitos foram registrados.

Nos últimos meses, especialistas têm criticado a postura do governo federal em relação à pandemia no país, com a falta de coordenação nacional em relação aos esforços de combate à covid-19.

Mente em Foco: Investindo na sua Saúde Mental, de EXAME Academy.

Na tarde desta quarta-feira, 24, o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou em coletiva que "vacinar 1 milhão de pessoas por dia é uma meta plausível", sem fornecer datas. Ao mesmo tempo, o novo ministro não se posicionou em relação ao tópico de uso da cloroquina, se pautando pelo critério de que o tratamento para cada paciente depende de seu médico.

Também nesta tarde, estados e municípios criticaram a postura do governo federal de mudar o sistema para contabilizar óbitos relacionados à covid-19, fazendo com que o número total de mortes informadas nesta quarta pudesse ser ainda maior.

O reflexo foi sentido principalmente nos dados de São Paulo, que registrou apenas 281 óbitos nas últimas 24 horas, uma queda de 24,3% em relação ao dia anterior. A média até então, era de 532 mortes por dia. Após a repercussão das dificuldades relacionadas ao novo sistema, representantes das duas principais entidades de saúde no Brasil disseram que o Ministério da Saúde aceitou o pedido de voltar atrás nas mudanças.

Colapso

Em razão do aumento expressivo da doença no país, o governo liberou a abertura de 685 leitos de UTI para covid-19 em 12 estados. A portaria com a decisão foi publicada nesta quarta-feira, 24, em edição extra do Diário Oficial da União (DOU). Este é o terceiro ato da pasta desde a semana passada para habilitar novos leitos no país — na quinta-feira, 18, foram liberados leitos em São Paulo e na sexta-feira, 19, outros cinco estados também foram atendidos.

Com vários estados à beira do colapso, também faltam insumos para intubação. Na cidade de São Paulo, o chamado "kit intubação" deve durar apenas mais uma semana — no Distrito Federal, 26 remédios já estão esgotados. Diante dessa situação, o senador Randolfe Rodrigues propôs zerar o imposto desses insumos.

No texto, o senador alerta que o Brasil está na iminência de uma crise de abastecimento de insumos necessários para a intubação de pacientes, como anestésicos injetáveis, relaxantes musculares e sedativos. "O Poder Executivo Federal, mais uma vez, falha no seu dever de proteger a vida e a saúde da população brasileira", afirma.