Brasil

Bolsonaro e Milei são destaques de conferência conservadora em Santa Catarina

Ex-presidente fez o discurso de encerramento no primeiro dia da CPAC Brasil, dois dias após a PF indiciá-lo em investigação sobre as jóias

Bolsonaro: ex-presidente voltou a desconsiderar as acusações que o tornaram inelegível até 2030 (EVARISTO SA/AFP Photo)

Bolsonaro: ex-presidente voltou a desconsiderar as acusações que o tornaram inelegível até 2030 (EVARISTO SA/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 10h20.

Última atualização em 7 de julho de 2024 às 10h22.

O ex-presidente Jair Bolsonaro foi aclamado neste sábado, 6, em uma conferência da extrema direita em Balneário Camboriú, Santa Catarina, onde o presidente argentino, Javier Milei, também será um dos palestrantes.

Bolsonaro fez o discurso de encerramento no primeiro dia da CPAC Brasil, dois dias após a Polícia Federal indiciá-lo em uma investigação sobre o suposto desvio de jóias valiosas presenteadas pela Arábia Saudita.

Recebido aos gritos de "mito" pelo público, o ex-presidente voltou a desconsiderar as acusações que o tornaram inelegível até 2030 e deu “nota 10” ao governo de seu sucessor, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em "empobrecer a todos e dominá-los".

"Apesar dos problemas (...) hoje eu tenho 300 e poucos processos ainda, vale a pena. A gente não vai recuar", disse Bolsonaro.

“Não tenho ambição pelo poder, eu tenho uma obsessão pelo nosso Brasil”, declarou mais cedo no evento, que termina neste domingo.

Conhecido como o Donald "Trump dos Trópicos" por suas semelhanças com o ex-presidente americano, Bolsonaro disse que "se Deus quiser" Trump retornará à Casa Branca em novembro.

Também destacou os avanços recentes da direita, com a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni, o presidente salvadorenho Nayib Bukele, e a "mudança" no Parlamento Europeu com o avanço da extrema direita nas eleições de junho.

Realizado pela quinta vez no Brasil, o encontro é inspirado na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), lançada há 40 anos nos Estados Unidos e promovida como o "maior e mais influente encontro de conservadores do mundo".

Políticos brasileiros, especialmente do Partido Liberal (PL) de Bolsonaro, dominaram a lista de palestrantes neste sábado, incluindo seu ex-ministro e atual governador de São Paulo, Tarcisio Freitas, possível candidato presidencial em 2026.

Também discursaram figuras conservadoras latino-americanas, como o ultraconservador chileno e ex-candidato presidencial José Antonio Kast.

Mas a atração principal ocorrerá no domingo, com Milei, que desdenhou da cúpula do Mercosul na segunda-feira em Assunção e viajou ao Brasil sem se reunir com Lula, com quem tem trocado farpas.

“O que o Bolsonaro foi para o brasileiro, o Milei está sendo para o argentino”, afirmou Roberto Prudêncio à AFPTV.

Esse advogado de 43 anos disse que o presidente argentino é “um destaque nacional” por visitar Bolsonaro em Santa Catarina e não se encontrar com Lula. “Para nós isso é muito forte, nós sentimos no coração”, acrescentou.

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroJavier MileiPolítica

Mais de Brasil

André Mendonça, do STF, dá 30 dias para governo concluir renegociação das multas da Lava-Jato

Força-tarefa extingue 30 pontos de queimada no Pantanal, diz Marina

CCJ do Senado adia votação da PEC do marco temporal de áreas indígenas

Preocupação do brasileiro com violência cresce em quase um ano e chega a 19%, aponta Genial/Quaest

Mais na Exame